EDITORIAL: De boas intenções… “eleitores arrependidos com vereadores que elegeram em Divinópolis”


Existe um ditado que diz o seguinte: “De boas intenções o inferno está lotado”, e sim, é a mais pura verdade. Nesta última semana a Câmara de Divinópolis viveu um momento histórico. Foi aprovada a criação da Corregedoria e do Código de Ética e Decoro Parlamentar. O projeto substitui a atual Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, estabelecendo a formação de um novo colegiado, bem como um código de deveres, princípios éticos e regras básicas que devem orientar a conduta de quem esteja no exercício do cargo de vereador.  A criação foi necessária, pois a atual legislatura é marcada por vários ataques de alguns vereadores entre si, com cidadãos que frequentam a Casa e ataques à imprensa. E, diante da complexidade e da delicadeza do assunto, seria injusto não dar nomes “aos bois”, e também em respeito ao eleitor divinopolitanos, que muitas vezes não têm como acompanhar a novela mexicana chamada “Vereadores de Divinópolis”.

Como é de conhecimento de muitos, um dos principais vereadores que levaram a criação da Corregedoria e do Código de Ética e Decoro Parlamentar foi o vereador Edsom Sousa (MDB). Desde que voltou a ocupar uma cadeira no parlamento divinopolitano, o nobre edil já foi protagonista de brigas dignas de Oscar. A primeira foi com o ex-presidente da Câmara, o vereador Adair Otaviano (MDB), seu colega de partido. Logo em seguida foi a vez do prefeito, Galileu Machado (MDB). Edsom dormiu líder do governo na Câmara e acordou oposição ferrenha ao prefeito, e trabalhou a finco para inviabilizar o Executivo Municipal, mesmo que para isso, a população tivesse que pagar o preço. Não satisfeito, o vereador encerrou 2017 protagonizando uma briga histórica com a imprensa local, com direito a dedo em riste no rosto da jornalista Pollyanna Martins, e berros com os que estavam presentes.

Já em 2018 o parlamentar começou o ano “distribuindo” processos. Contra o editor do Divines, Geraldo Passos foram sete (três, ele já perdeu), contra Pollyanna Martins foram dois (um já está arquivado por falta de provas). Diante das seguidas derrotas na Justiça, onde a maioria das decisões os juízes ressaltavam que o parlamentar deveria ter muito cuidado, pois “a liberdade de expressão é um pilar democrático e deve ser visto com cautela toda pretensão à sua limitação”, e que “como homem público, por opção, deve abrir mão de certo espectro de privacidade e se submeter a julgamentos populares pela própria natureza de seus misteres”, o parlamentar partiu para cima de seus colegas de parlamentar.

Além de Adair Otaviano, já estiveram na mira do vereador, seu colega de partido Delano Santiago (MDB), e agora é a vez de Eduardo Print Júnior (SD). O “rei das confusões” como foi chamado em uma postagem da página “Destaques de Divinópolis”, no Instagram, apresentou na última reunião ordinária, do dia 24 de outubro, um suposto áudio de Print Júnior em que ele dizia que o projeto de atualização da planta de valores do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), só não teria sido votado ainda, pois Edsom trabalhava para travar a pauta na Casa, protocolando várias emendas todos os dias, e por isso, a proposta estaria parada há mais de um ano.

Mais do que difícil, é inacreditável que os divinopolitanos tenham elegido um vereador que trabalhe em causa própria, que gaste o seu tempo como homem público para perseguir colegas, a imprensa e cidadãos comuns, como foi o caso da advogada Adriana Ferreira, dos líderes comunitários, Élcio Sistema e José Onésimo do Porto Velho, a quem ele cometeu assédio moral, ao chamá-lo de “cheiroso”, e quem se lembra de quando ele insinuou que Coronel Faria seria um torturador? Mais do que difícil é inacreditável que nenhuma atitude seja tomada diante tantos fatos, tantos argumentos, tantas situações, e até mesmo decisões judiciais.

Mais do que difícil é impossível não questionar: um único homem consegue travar o desenvolvimento de Divinópolis, e outros 16 apenas assistem calados? E juntos também sendo desgastados, sendo nivelado por baixo. Mas afinal, o que está por trás disto? Pois, além de se comportar de maneira questionável, o nobre edil ainda tem a coragem de usar a Tribuna Livre e se colocar no papel de defensor da moral e dos bons costumes, cheio das boas intenções. Mas, já dizia o ditado. Desconfie, pois de boas intenções o inferno está lotado.

3 comentários em “EDITORIAL: De boas intenções… “eleitores arrependidos com vereadores que elegeram em Divinópolis”

  • 30 de outubro de 2019 em 06:19
    Permalink

    Só cletnho , que si salvou nessa Câmara,

    Resposta
  • 28 de outubro de 2019 em 23:49
    Permalink

    Impressionante como os vereadores não consegue ver que o vereador Edson Souza está levando todos para o buraco da vala comum da mediocridade.

    Resposta
  • 28 de outubro de 2019 em 21:35
    Permalink

    SERSAM no Edinho, surtou. Mas pelo menos está morto no cenário político, esse não volta mais!

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!