EDITORIAL: Os especialistas em confusões em Divinópolis


Divinópolis é sem sombra de dúvidas a cidade da politicagem. De acordo com o dicionário politicagem significa “1. Política de interesses pessoais, de troca de favores, ou de realizações insignificantes. 2. o conjunto dos políticos que se dedicam a essa espécie de política”. A cidade que já foi a quinta melhor para se viver em Minas Gerais, no início dos anos 2000, hoje agoniza em meio a vídeos, pedidos de curtidas e compartilhamentos, e uma política pobre que se resume a “legislar em causa própria”. Os tempos de ouro da cidade se foram, e hoje o que restou para Divinópolis foi ver outras cidades menores como Nova Serrana, Santo Antônio do Monte, Bom Despacho, Itaúna se desenvolverem a todo vapor, mesmo em tempos difíceis, mesmo em tempos de desemprego, de confisco de verbas, e outros problemas que assolam qualquer município.

Diante da catástrofe política de Divinópolis, que não consegue mover a cidade rumo ao desenvolvimento um milímetro – pelo contrário, trabalham para que o município continue parado no tempo – restou a um grupo, formado por representantes de entidades, a responsabilidade de dar um pouco de dignidade para a cidade que já foi a quinta melhor para se viver em Minas Gerais. Sim! Pessoas que não foram eleitas para representar o povo, representam muito mais do que aqueles que foram eleitos, e são pagos – e muito bem pagos –  para isso. Enquanto o Grupo Gestor formado por CDL, ACID, SINCONDIV, SINVESD, SINDUSCON-CO, FIEMG, OAB Divinópolis, SEBRAE-MG, Observatório Social de Divinópolis, CREA, CRECI, SINDIMOVEIS, CAU, SINCOMÉRCIO, SINDIGUSA, Sindicato Rural de Divinópolis, Clube de Engenharia de Divinópolis e SENGE – Sindicato dos Engenheiros no Estado de Minas Gerais se desdobram para manter Divinópolis “respirando”, os vereadores utilizam seus cargos para legislar em causa própria, e para perseguir desafetos pessoais.

A situação é no mínimo vergonhosa. Um vereador recebe hoje, R$ 11.572,00, todo mês, para “representar o povo”. Mas, o “representar o povo” em Divinópolis se limita a: fazer discursos “apolíticos”, quando na verdade eles são mais políticos da “velha guarda” do que qualquer outro, gravar vídeos contra o prefeito, pedir curtidas e compartilhamentos, e perseguir desafetos pessoais. Tudo isso pode ser comprovado facilmente por qualquer cidadão. Basta acompanhar as reuniões das Câmaras, as terças e quintas-feiras, e as páginas dos nobres edis. Tudo isso é feito bem debaixo do nariz do divinopolitano, enquanto um Grupo Gestor trabalha arduamente para Divinópolis não ruir. Tudo isso é feito enquanto um Grupo Gestor trabalha para que a princesinha do oeste não seja mais motivo de vergonha.

Chegamos a um ponto em que é mais vantajoso o cidadão acompanhar as ações do Grupo Gestor, do que as ações dos vereadores, pois dali só sai confusão e mais nada! Pois, dali até moção de repúdio, pelo trabalho que é feito pela imprensa, que é um dos pilares da democracia, sai! Pode não parecer, diante os discursos apaixonados e calorosos, mas 11 vereadores são contra o trabalho da imprensa, e contra a democracia. Pode não parecer, mas eles são aquilo que o ditado diz “de boas intenções o inferno está lotado”. Diante atuação vexatória dos parlamentares, que não fizeram nada em um mandato todo, a não ser oposição ao prefeito, e gravação de vídeos, só nos resta a pergunta: Divinópolis aprendeu? Os divinopolitanos tiveram a lição que precisavam? Afinal, perseguição e confusão não levaram a cidade a absolutamente nada, já um Grupo Gestor, talvez traga mais desenvolvimento do que aquele que ganham mais de R$ 11 mil por mês para “representar o povo”.

4 comentários em “EDITORIAL: Os especialistas em confusões em Divinópolis

  • 6 de novembro de 2019 em 06:06
    Permalink

    Não só vereadores ,tem ainda um batalhão de assessores ao meu ver gasto desnecessário e bem pagos pra “trabalhar ” meio horário.

    Resposta
  • 5 de novembro de 2019 em 16:01
    Permalink

    Espero que o grupo gestor faça alguma coisa , mesmo também tendo pessoal que atrapalha o desenvolvimento da cidade.

    Resposta
  • 5 de novembro de 2019 em 14:01
    Permalink

    Sinto muito em dizer que essa reportagem também está recheada de politicagem. Ninguém precisa se gabar pelo o bem que faz. Com diz o ditado: ” faça o bem sem olhar a quem”. Cada dia mais vejo que o ser humano são todos pai de galinheiro sujo. Ninguém tem moral para falar do outro.

    Resposta
  • 5 de novembro de 2019 em 13:56
    Permalink

    ESTA RENOVAÇAO AI, SÓ CLEITINHO , QUE SI SALVOU, QUE GOSTE DELE OU NAO ,,MAS O QUE ELE FAZ , E BEM FEITO,

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  40  =  42