Print diz que é perigoso Rinaldo ou Kaboja assumirem Prefeitura de Divinópolis se Galileu deixar o cargo


O líder do Governo na Câmara, Eduardo Print Junior, no Programa Bom Dia Divinópolis que foi ao ar nesta última segunda-feira (13), ao defender o seu posicionamento contrário ao impeachment do prefeito Galileu Machado, afirmou que a linha sucessória não é das melhores em caso de saída do prefeito, citando o nome do vice-prefeito Rinaldo Valério, que é o sucessor direto de Galileu em caso de qualquer tipo de impedimento, e na sequência, após Rinaldo assume o presidente da Câmara Rodrigo Kaboja, caso aconteça também qualquer problema com o vice – Print atribui a atual situação às condições financeiras de Divinópolis, e que nenhum dos dois, Rinaldo e Kaboja, vão fazer milagres. Vaticinou ainda que a situação atual do município é ruim, mas que tende a piorar

Conforme o texto de um release enviado pelo vereador:  que: “Nos últimos meses, diversos pedidos de abertura de investigação e cassação do mandado do atual prefeito de Divinópolis foram colocados em votação na Câmara Municipal, o que atrasou a aprovação de diversos projetos em prol da cidade. “Já virou uma rotina chata. Toda semana tentam empurrar um pedido de impeachment para fazer média com a população. Não votei no Galileu, não pedi votos para ele, mas entendo que a nossa obrigação é deixá-lo trabalhar, já que foi eleito com mais de 60 mil votos”.

“Quando falamos de impeachment, não falamos de uma coisa simples. Nos últimos anos, por conta dos acontecimentos no país, as discussões de impeachment foram trazidas para os municípios sem que discutíssemos as consequências a médio/longo prazo. Além de ignorarem a linha sucessória, promover a cassação de um mandato faz com que a cidade fique completamente parada. As coisas não andam. Ficamos à mercê de questões secundárias, de articulações feitas para fazer média com a população. Isso não dá”.

Ainda conforme a matéria, com o impacto de quase um milhão de reais por mês na folha salarial da prefeitura, diante do reajuste que foi concedido de 4,59%, serão necessários cerca de R$ 12 milhões a mais por ano. E com isso, de acordo com Print Junior, poderá ocorrer atrasos e escalonamento dos salários já a partir de setembro.

O vereador exortou também os representantes dos dois sindicatos, SINTRAM e SINTEMMD a pensarem mais no futuro da cidade. Pois com a situação financeira da cidade, ele avaliou que não era o momento de cobrar o cumprimento da lei do reajuste que pode comprometer ainda mais a situação do município.

EM CONSEQUÊNCIA DO PERÍODO ELEITORAL OS COMENTÁRIOS ESTÃO SUSPENSOS

PODCAST: escuta essa!!