Deputado denuncia nova compra superfatura pelo Governo do Estado de Minas


O deputado estadual Fabiano Tolentino (PPS) denunciou na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), no último dia 6, uma compra superfaturada de máquinas fotográficas, realizada pelo Governo de Minas. Segundo o parlamentar, o pregão 34/2017 prevê a aquisição, entre outros itens, de 3.888 máquinas fotográficas, pela Secretaria de Estado de Educação. 

O deputado argumenta que o equipamento teria valor de mercado de aproximadamente R$1.800,00 mas que chegou às suas mãos a nota fiscal das máquinas, apontando que foram avaliadas em mais de R$3.800,00 cada uma.

Carteiras escolares

Fabiano aproveitou para lembrar do pregão 01/2015, realizado para aquisição de carteiras escolares. Na ocasião, o Governo do Estado compraria 1,5 milhão de carteiras escolares a um valor acima do preço normal de mercado. Diante da situação, o parlamentar acionou a Promotoria de Justiça e o Ministério Público, solicitando a suspensão do pregão.

O Tribunal de Contas do Estado apontou que o valor ideal das carteiras era R$180,00 contra os R$210,00 que seriam inicialmente pagos, resultando na redução de mais de R$40 milhões no valor total da compra. Posteriormente, o processo do pregão foi extinto pelo TCE, com base na denúncia do deputado.

Pedido de esclarecimentos 

Tolentino apresentou na Comissão de Desenvolvimento Econômico da ALMG um requerimento para realização de audiência com a presença da Secretária de Estado de Educação, com a finalidade de obter esclarecimentos sobre o processo licitatório e esclarecer o que eleva tanto o valor do equipamento.

 

4 comentários em “Deputado denuncia nova compra superfatura pelo Governo do Estado de Minas

  • 13 de março de 2018 em 19:56
    Permalink

    Mostre a nota fiscal das máquinas, que chegou a suas mãos.

    Resposta
  • 13 de março de 2018 em 12:23
    Permalink

    esses deputados deveriam também acabar com a Lei que persegue servidores publicos do estado, implentada pelo aécin para demitir servidores publicos por baixo desempenho. Perseguição para que servidores publicos do estado não denunciem as maracutaias dos políticos. Lei que só gera assedio moral e sexual contra servidores publicos. Perseguição para exonerar os servidores pobres e colocar amiguinhos pela MGS. De qualquer forma, as servidoras velhas ladras continuam coçando o saco e nem cumprem horário de trabalho nas repartições publicas do Estado. E tem umas que apesar disso ainda são indicadas para cargo de chefia.

    Resposta
  • 12 de março de 2018 em 13:55
    Permalink

    um cidadão de outra cidade reclamou do número elevado de buracos nas ruas de Divinopolis.

    Resposta
  • 12 de março de 2018 em 13:39
    Permalink

    Esses pregões são todos da SEE, daí o “gado” que trabalha para o órgão alegam não saber o porque dos motivos que o governo não cumpre aquilo que ficou acordado, e ficam aí tentando emplacar uma greve com meia-dúzia de gatos pingados. Governo este, que eles próprios elegeram!

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.