PM que atirou contra carreata de candidato do PT a deputado federal é solto depois de pagar fiança


O deputado federal Paulo Guedes (PT) relatou em suas redes sociais que a carreata da qual participava teria sido alvo de três disparos na noite deste domingo (25) em Montes Claros, região Norte de Minas Gerais. Segundo a Polícia Militar, o candidato ligou por volta das 22h afirmando que um carro atirou contra o comitê, e militares foram encaminhados para o local.

Logo depois descobriu-se que o autor dos disparos contra o candidato é o soldado da Polícia Militar que estava de folga. De acordo com a corporação, o homem, de 30 anos, foi preso suspeito de efetuar disparos, teve a arma apreendida e foi encaminhado para a Polícia Federal.

Nesta segunda-feira (26), o homem foi liberado após pagamento de fiança, e PF emitiu uma Nota “Os envolvidos foram ouvidos na sede da Delegacia da Polícia Federal. O suspeito foi autuado em flagrante pelos crimes previstos no art. 332 da Lei nº 4.737/65 e art. 15 da Lei nº 10.826/03 e colocado em liberdade após o pagamento da fiança arbitrada”, informa a nota.

Questionada pela reportagem, a Delegacia Regional da  Polícia Federal de Montes Claros informou que não divulgaria o valor da fiança paga pelo policial. “A Polícia Federal continuará a investigação para apurar as circunstâncias que envolvem o fato”, finaliza o informativo.

De acordo com Guedes, foi a terceira ocorrência na campanha dele envolvendo policiais em uma semana. “Há cinco dias teve um episódio com um policial civil. Na sexta, foi um policial militar que deu dois tiros para o alto contra os nossos apoiadores e ontem (domingo) essa tentativa de atentado contra mim”, contou.

Os parlamentares da bancada do PT na Câmara também se manifestaram sobre o atentado ao colega de partido. “O que aconteceu ontem foi muito sério. A violência política no Brasil precisa ser vista com mais atenção pela sociedade. Tentaram matar um deputado do PT. Esse crime não pode ficar impune”, afirmou o líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG).

A presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann, pediu a punição dos culpados. “Solidariedade ao deputado Paulo Guedes. Esse ódio e essa violência tem de parar. Estamos juntos para apurar os fatos e punir os culpados”, escreveu.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

22  +    =  24