Por Gra Castro: “O beijo do rio”


O Café com Leitura de hoje nos traz uma escrita forte, potente, corajosa, sensual e envolvente que o brasileiro Stefano Volp nos apresenta em “O beijo do rio”. Um suspense que já começa eletrizante e prende o leitor desde as primeiras páginas.

Daniel sai de Água Doce, cidade do interior do Rio de Janeiro e dominada por uma seita religiosa, em busca de liberdade. Morando em São Paulo e afastado da família, ele se vê encarando traumas há muito esquecidos quando o passado bate à sua porta. Jéssica, amiga de infância, traz a notícia da morte de seu noivo, Romeu, que foi o melhor e único amigo de Daniel.

O rapaz, filho do líder religioso conhecido como Apóstolo que dita as regras na cidade, morreu em circunstâncias misteriosas ao encenar a peça mais famosa de Shakespeare: Romeu e Julieta. Representando um Romeu gay, escandalizou a plateia de Água Doce que assistiu à cena do beijo entre dois rapazes em que Romeu morre envenenado.

Sem conseguir dizer não ao impulso de desvendar a morte do antigo amigo, Daniel volta a Água Doce e encara seu passado esquecido. Quanto mais o jornalista aprofunda na investigação, mais o véu que cobre a verdadeira cidade e seus moradores começa a ser descortinada, revelando segredos sombrios.

O repórter investigativo não pode confiar em ninguém. Na busca por verdades, Daniel descobre segredos sobre sua infância que sua mente tentou esconder por tantos anos. Será que ele está preparado para encarar a verdade e os traumas vividos em Água Doce?

Stefano Volp entrega um suspense eletrizante, uma trama muito bem arquitetada e personagens fortes e marcantes. Daniel é um protagonista negro, bissexual, inquieto, atraente e que transborda sensualidade. A escrita de Volp é fluida, os diálogos muito bem construídos e o clima de mistério acompanha o leitor até as últimas páginas. Impossível parar de ler. Você vai querer desvendar o mistério de Água Doce.

ALERTA: Pode conter gatilhos a pessoas muito sensíveis a temas como: abuso infantil, suicídio, homofobia, depressão, racismo e fanatismo religioso.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  13  =  15