Prefeito de Divinópolis com R$ 24,4 mil é um dos maiores salários do Brasil, só perde para oito mandatário de capitais de estados; teve ganho de R$ 130 mil


O prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo (PSC), na manhã desta última quinta-feira (10) depois de protagonizar mais uma lamentável cena para um chefe do Poder Executivo, como tem feito constantemente, ao ameaçar bater em um servidor quando ele deixar de ser prefeito da cidade, independentemente dele ter sido xingado inicialmente com impropérios dirigido pelo servidor, Gleidson se expos indevidamente no momento que “corajosamente” decidiu enfrentar os manifestantes nas ruas, ao invés de seguir o rito que o cargo lhe impõe, chama-los para conversar no gabinete e explicar o que posteriormente foi explicado em nota emitida por seu corpo técnico –  É fato que a Lei Complementar 173 de maio de 2020 proibiu não apenas a União, os Estados, o Distrito Federal e também os municípios afetados pela calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19 a conceder aumento reajuste ou qualquer adequação de remuneração aos servidores públicos. Porém é fato que, também na campanha eleitoral que ocorreu extemporaneamente a partir do dia 27 de setembro até o dia 13 de novembro, antevéspera das eleições já sabendo da proibição tanto o prefeito Gleidson Azevedo, quanto a vice-prefeita Janete Aparecida em campanha eleitoral, ignorando a vigência da Lei Complementar 173 que já estava em vigor, com o intuído de ter o voto dos servidores a ignoraram e prometeram que concederiam o gatilho/reajuste da categoria.

Em uma parte de sua fala aos servidores públicos em manifestação na frente da Prefeitura, Gleidson arguiu que não seria justo que ele recebesse cerca de R$ 900 reais de reajuste sobre o seu salário. Contudo, o salário bruto que ele recebe de R$ 24.464,58 (vinte e quatro mil, quatrocentos e sessenta e quatro reais e cinquenta e oito centavos), com um valor liquido de R$ 18,4 mil reais, os 5,03% representaria o significativo reajuste de R$ 1.230,57. Por quanto, quando aplicado em cima do salário de um agente administrativo que recebe o valor bruto de R$ 1.907,58, o mesmo percentual do gatilho representa apenas R$ 95,95.

Gleidson nesses cinco meses e 10 dias completados nesta última quinta-feira (10), recebeu o estratosféricos valor de R$ 122.322,90 reais nos cinco meses, e mais R$ 8154,86 nos 10 dias do mês de junho, totalizando R$ 130.477,76. Acrescido ainda de R$ 918,00 de vale alimentação.

Nesses cinco meses à frente da  Prefeitura, Gleidson além de ter reformado algumas praças publicas com recursos financeiros de empresários que negociam alguma coisa com o poder público como contrapartida às pinturas, tapa alguns buracos nas vias publicas com recursos que foram deixados por seu antecessor e realiza capinas em determinados locais. As Obras do PAC são oriundas de negociações de governantes anteriores, e o hercúleo esforço que o deputado Domingos Savio fez ao ter direcionado  emendas para o município e ainda ter que fiscalizar que a Usina de Projetos, consiga entrega-los para não perder recursos federais. A população precisa saber que tudo que está sendo feita não tem um único esforço direto do atual prefeito, isso por que em cinco meses é impossível a liberação de qualquer recurso advindo de seu empenho pessoal e de sua equipe.

Gleidson com ganhos até então de R$ 130 mil reais tem se notabilizado em criar contendas das mais variadas e com os mais diversos atores do município. Vai de empresários, ex-prefeitos, presidente de partido, servidores, lideres comunitários. Enfim, foram gastos R$ 130 mil para o que até então se apresenta.

O salário do prefeito de Divinópolis é um dos maiores do Brasil. Segundo levantamento do site da Globo G1, realizado no dia 26 de janeiro deste ano, o salário de Gleidson é maior que o de prefeitos de 17 capitais, e na frente, pouca coisa, dos prefeitos de outras oito capitais de estados.

Folha de maio do prefeito

Folha de março de um agente administrativo


 

 

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!