Com medo de perder as mamatas, vereadores de Pará de Minas cassam mandato de parlamentar que brigava contra as regalias políticas


A vereadora Márcia Marzagão, do PSDB de Pará de Minas, teve o mandato cassado esta semana. Por 13 votos a favor e 4 contrários, os parlamentares decidiram punir a Márcia por suposta “quebra de decoro”. A denúncia partiu do vereador Márcio Lara, do PSD. Mas, nos bastidores, o que se sabe é que Márcio e outros figurões da política paraminense estavam preocupados com a possibilidade de perder as mamatas e regalias.

O processo contra a vereadora Márcia Marzagão começou há quase 3 meses. Márcio Lara acusou a parlamentar de denegrir o trabalho dele e de outros colegas durante pronunciamentos na Câmara e também em postagens na internet. Uma comissão foi instaurada para investigar o caso e na reunião desta semana os vereadores votaram para Márcia perder o mandato. Ela afirma que foi vítima de perseguição política e já adiantou que vai recorrer da decisão.

Márcia Marzagão despertou a ira dos vereadores da cidade ao denunciar e criticar mamatas dos parlamentares. O jogo sujo da política na cidade envolvia inclusive o prefeito Elias Diniz, que trocava cargos políticos na prefeitura para agradar vereadores parceiros. Ela também condenou outras regalias dos parlamentares, como os altos valores de verbas de gabinete que eram gastos sem a fiscalização necessária.

Com isso, segundo a vereadora, o dinheiro público dos cidadãos de Pará de Minas estava sendo gasto da forma como o prefeito e os vereadores queriam. O desperdício e o mal uso teriam causado prejuízos milionários ao município e o prefeito Elias Diniz e seus aliados fechavam os olhos para a situação, até que passaram a ser alvo de críticas das vereadoras. Foi quando as falas e as postagens dela na internet enfureceram a velha guarda da política, incluindo o articulador da trama, o vereador Marcílio Magela, um “politicossauro” que há mais de 20 anos esbanja com o dinheiro público e faz o que for preciso para manter seus privilégios, foi o articulador.

Márcio Lara foi um dos vereadores que, no início deste ano, propuseram um aumento nos próprios salários e também para o prefeito, vice e secretários. O reajuste foi de 6,9% para os vereadores e 10,16% para prefeito, vice e secretários. Na época da votação a população protestou e Márcio chegou a dizer que não era possível viver com o salário de R$ 9.473,00 e, por isso, achava necessário o aumento para R$ 10.126,00 por mês.

Márcia Marzagão também propôs uma modificação no projeto contra o nepotismo que eliminaria as nomeações de parentes de vereadores. Um esquema foi montado entre o prefeito Elias Diniz e os vereadores. O prefeito contratava parentes de vereadores. Propôs a transparência na fila do SUS, para acabar com fura fila por políticos. E a ira dos opositores políticos dela só foi aumentando

Os vereadores que nesta semana votaram pela cassação do mandato de Márcia fecham os olhos para as graves irregularidades no município. O passado de vários parlamentares revela que vários tem condenações ou foram acusados de improbidade administrativa, incluindo Nilton, Renato, Dilermano, Carlos Lazaro, Ricardo Rocha e Marcílo. Até parlamentares do PSDB, o partido da vereadora cassada, parecem ter entrado no esquema e votaram contra ela. Agora a turma corre o risco de ser expulsa da legenda.

Ao invés de combater o absurdo mal uso de dinheiro público de Pará de Minas e realmente lutar pela cidade, parece que a preocupação maior dos vereadores e do prefeito é outra. E eles andam com tanto tempo livre que ficaram doídos pela fala da parlamentar, que disse, de forma metafórica, que “matar um leão por dia é fácil. Difícil é desvair das antas”. Mesmo não tendo se referido a nenhum dos colegas, parece que, enquanto tentava matar os leões, Márcia foi atingida por um bando de antas e acabou cassada. Pelo menos até que o caso seja reavaliado por instâncias superiores.

Em seu Instagram a vereadora lista os 15 motivos que provocou a cassação do seu mandato.

Votaram para cassar: Nilton Reis Lopes (MDB), Serginho do JK (MDB), Irene Melo Franco (PSB), Washington, suplente de Márcio Lara (PSD), Léo do Depósito (PDT), Carlos Lázaro (Podemos), Ricardo Rocha (MDB), Marcílio Magela (MDB), Clebinho do Lava Jato (PSB), e Ronnie Barbosa (Republicanos)

Votaram contrários a cassação: Luiz Lima (Cidadania), Rodrigo Alves (MDB) e Juninho JR (PSL), além da própria denunciada.

2 comentários em “Com medo de perder as mamatas, vereadores de Pará de Minas cassam mandato de parlamentar que brigava contra as regalias políticas

  • 1 de dezembro de 2022 em 10:24
    Permalink

    Tudo dentro da normalidade, não sejamos cegos ou inocentes. para um país que votou, para um STF que mudou leis(sem poder para tal) e um congresso que aceitou tudo onde voltaram com um ladrão e ex presidiário.
    Nada mais normal acontecer o efeito cascata e mesmo Deus não querendo as coisas vão piorar. Só esperar pra ver.

    Resposta
  • 30 de novembro de 2022 em 16:40
    Permalink

    Que a justiça a reitegre e o povao maravilhoso de P de minas lhe de mais poder aqui em divinopolis vamos lutar pra ter um prefeito de verdade apoiado pelo presidente LULA SEMPRE. Demetrius pra prefeito ja

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  27  =  33