Sindicatos dos servidores municipais de Divinópolis convocam assembleias para deliberação da negativa de recomposição salarial de 2021 e parcelamento do reajuste de 2022, proposta pelo prefeito Gleidson Azevedo


As diretorias do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e da Região Centro Oeste (Sintram) e do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal do Município de Divinópolis (Sintemmd), e as comissões de negociação salarial se reuniram na manhã de hoje, 25, com o prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo (PSC) e com a vice-prefeita e secretária municipal de governo, Janete Aparecida (PSC) para iniciar as negociações da campanha salarial 2022 – Como a proposta do Executivo foi negar a recomposição salarial de 2021 e ter ainda ter proposto o reajuste deste ano, 2022, os dois sindicatos, SINTRAM e SINTEMMD convocaram assembleia para o dia 31, ocasião em que a proposta será discutida com os servidores.

Estiveram presente ainda na reunião o secretário de fazenda, Gabriel Vivas, do secretário de administração, Thiago Nunes, do assessor especial, Fernando Henrique Oliveira, a secretária de educação, Andreia Dimas, o assessor de articulação política, Felipe Soalheiro, e  o superintendente do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Divinópolis (Diviprev), Aguinaldo Henrique Lage, mais o presidente da Câmara, Eduardo Print Júnior (PSDB)

Luciana Santos, presidente do Sintram leu as propostas enviadas pelos sindicatos ao Executivo, por meio de um ofício, no dia 27 de dezembro. Logo em seguida, o Município apresentou sua contraproposta, que prevê: recomposição salarial de 9,63%, sendo 5% na folha de pagamento de fevereiro, e 4,63% na folha de junho; reajuste de 11% no ticket alimentação, passando o valor de R$ 9 para R$ 10, e R$ 1 a cada ano; progressão horizontal (triênio) seja feito semestralmente, sendo em janeiro e junho.

De acordo com a vice-prefeita, o Executivo montou uma comissão para avaliar as reivindicações do funcionalismo público municipal. Segundo Janete, a comissão foi composta por ela, pelos secretários municipais de administração, fazenda, educação, pelo assessor especial, e pelo assessor de articulação política. Durante a reunião, as lideranças sindicais protestaram sobre o parcelamento da recomposição salarial, e reforçaram que os servidores municipais acumulam perdas desde 2020. A presidente do Sintram solicitou então, aos representantes da Prefeitura que o reajuste seja pago de forma integral na folha de fevereiro.

Negociações

A vice-prefeita e o secretário municipal de fazenda justificaram o parcelamento da recomposição salarial deste ano, com a medida do Governo do Estado, que passou para março o início do pagamento do IPVA, além das ações feitas pelo Município, que mudou para abril o prazo para início do pagamento do IPTU, e a situação de emergência declarada devido as chuvas que atingiram a cidade no início deste mês. Segundo Janete, o Município estudou maneiras de conceder o reajuste salarial sem causa impacto no caixa da Prefeitura. As alegações da administração foram contestadas pelas lideranças sindicais, e após uma longa discussão, a vice-prefeita pediu que a contraproposta fosse apresentada aos servidores municipais.

Diante o impasse, a diretoria do Sintram pediu celeridade à gestão quanto ao agendamento das próximas reuniões de negociações. Ao Sindicato, a vice-prefeita se limitou a dizer que o Município aguarda a proposta que será feita pelos servidores municipais na próxima Assembleia Geral, que será realizada no dia 31 de janeiro.

O vice-presidente do Sintram, Wellington Silva ressaltou que os sindicatos já convocaram a próxima Assembleia Geral, para a próxima segunda-feira, 31, para que os servidores municipais decidam se aceitam ou não a proposta apresentada pela atual gestão.

Reajuste 2021

Na pauta apresentada pelos sindicatos, os servidores reivindicavam reajuste de 15,5%, sendo 5,3%, referente ao ano de 2021, retroativo a data base acrescido o índice de correção do IPCA do Ipead acumulado em 2022, que ficou em 9,63%, porém o pedido foi feito com arredondamento do índice para 15,5%. Logo no início da reunião, a vice-prefeita explicou que o percentual de 5,3% não estava incluído na contraproposta, visto que a reivindicação está Sub judice, e o Executivo aguarda a decisão da justiça para conceder ou não o reajuste referente a 2021 aos servidores municipais.

Ao Sintram, o prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo disse que o Município irá tentar achar recurso para pagar o funcionalismo público, caso a Justiça determine o pagamento dos 5,3%, reivindicado pela categoria.

O prefeito disse ainda que Se a Justiça acatar que tem que ser dado os 5%, a gente vai trabalhar poder pagar, mas hoje a situação financeira do Município a gente não consegue nem dar os 9% de uma vez, então é trabalhar, economizar mais do que a gente está economizando para poder fazer isso pelo servidor.

 

6 comentários em “Sindicatos dos servidores municipais de Divinópolis convocam assembleias para deliberação da negativa de recomposição salarial de 2021 e parcelamento do reajuste de 2022, proposta pelo prefeito Gleidson Azevedo

  • 27 de janeiro de 2022 em 11:39
    Permalink

    o sindicato vai aceitar a proposta do prefeito, porque não tem o respaldo da categoria para fazer uma greve geral e pressionar o chefe do executivo

    Resposta
  • 26 de janeiro de 2022 em 17:41
    Permalink

    Não sou nem nunca fui funcionário público. Mas se tem direito, tem que pagar. No meu sentimento, quem sabe que deve mas só paga com ordem judicial, É CALOTEIRO.

    Resposta
  • 26 de janeiro de 2022 em 15:58
    Permalink

    Pela foto da dita reuniao, vemos claramente as chefias com seus computadores imprimindo a secura para com os concursados, e infelizmente a fábrica de votos esta aberta, portanto servidores apertem os cintos

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2022 em 22:54
    Permalink

    Vamos pra guerra servidorez mesmo que percamos mas esse prefeito vai penar

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2022 em 20:45
    Permalink

    Servidor público é engraçado. Vive reclamando do sindicato e cobrando ações. Mas quando ele é chamado para participar e decidir, se acovarda e não aparece para decidir seu futuro!

    Resposta
    • 25 de janeiro de 2022 em 22:52
      Permalink

      Temos que aceitar o valor total. Este negócio de pagar só em junho não podemos aceitar…

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  77  =  83