“Bolsonaro colocou o Brasil no mapa da fome além de não comprar vacinas contra covid-19 no devido tempo”, afirmou o deputado federal Reginaldo Lopes em entrevista ao Divinews


Na entrevista do deputado federal Reginaldo Lopes (PT) ao editor do Divinews, Geraldo Passos, o parlamentar petista também descreveu seu projeto de Fundo Solidário de enfrentamento a desigualdade social e recuperação econômica. A proposta tem como objetivo arrecadar verbas de algumas tributações no país e aportar esses recursos para garantir que a população em vulnerabilidade não fique desamparada durante o período de recessão e pandemia da covid-19. Confira a entrevista na íntegraaqui.

Reforma Tributária como fator primordial a distribuição de renda mais igualitária

Antes de adentrar no projeto, Reginaldo Lopes tocou no ponto da Reformar Tributária como fator primordial para trazer equidade e ou reduzir a má distribuição de renda no país. “Eu tenho defendido um novo sistema tributário. No nosso novo sistema tributário, eu defendo uma tributação direta e progressiva nas duas bases tributárias mais justas possível, que é cobrar imposto na renda e no patrimônio. É o modelo OLA ou CDE, que é a organização dos países em desenvolvimento, dos 34 países mais ricos. Lá, o arrecadado pelos estados, a União. 80% bem dessas duas bases, que é a renda e o patrimônio.”, iniciou a explicação.

O parlamentar continua no quesito da tributação no Brasil. “Aqui no Brasil é o inverso. Mais de 50%, sai do consumidor e 30% sai da folha de pagamento. Então se você for um empresário em Divinópolis, que emprega gente, que não emprega inteligência artificial, que não emprega robô, máquina, você paga 30% em impostos. Então o país não cresce. O país que tributa consumo e que consuma trabalho é um país condenado ao sub consumo. É um país condenado a não incluir todos os brasileiros a sequer ter o direito de serem consumidores. É o que chamamos de mercado de massa de consumidores. Portanto eu tenho defendido outro sistema tributário.”, continuou.

Ele prossegue. “Na ausência de uma Reforma Tributária, porque o Governo Bolsonaro sequer teve coragem de mandar uma Emenda Constitucional pra fazer a Reforma Tributária. Ele não fez isso porque ele teria que reafirmar o lado que ele pertence. Que é o lado do Sistema Financeiro, rentista e não do capital produtivo, e não do povo brasileiro e não dos trabalhadores e não dos mais pobres. Ele não enviou.”, revelou.

“Reforma Tributária foi fatiada e não vai sair pensando nos mais vulneráveis”

O deputado frisa que as propostas sugeridas pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes foram diluídas e não são suficientes para reparar as injustiças socioeconômicas. “O Paulo Guedes mandou quatro proposições para a Câmara dos Deputados. Fatiou a Reforma Tributária em quatro partes. Mas nenhuma delas trata sobre o Sistema Tributário direto que é cobrar sobre renda e patrimônio. Então a partir daí, eu apresentei vários projetos. Paulo Guedes, ao invés de tomar a aposentadoria das pensionistas, da viúva e do povo brasileiro, do trabalhador rural, dos mais pobres. Das LOAS, Lei de Assistência Social. Era mais fácil cobrar Lucros e Dividendos, que o Fernando Henrique Cardoso em 1995, isentou as pessoas que recebem pelas empresas pagarem imposto de renda.”, frisou.
Reginaldo complementa. “Então a partir desse debate que eu tive com o Paulo Guedes, que eu tive em 2019, na Reforma da Previdência, eu fui apresentando um conjunto de proposições do Sistema Tributário. Então agora estou unificando todas essas proposições e propondo criar um Fundo Solidário de Enfrentamento a Desigualdade e Superação da Pandemia. É um fundo na verdade para a reconstrução da economia brasileira.”, complementou Reginaldo.

Seis etapas para elaborar o Fundo Solidário

No desenrolar da sugestão do edil quanto a abordagem de redistribuição e tributação das rendas, Reginaldo destrincha o projeto em seis tópicos, que segundo ele são fundamentais. “Dá para arrecadar muito. São mais ou menos seis tipos de impostos. O primeiro é lucros e dividendos de quem recebe das pessoas jurídicas. O segundo é tributar, na verdade regulamentar o imposto sobre grandes fortunas, que já tem previsão constitucional desde 88. O terceiro é a gente fazer eletivo em duas atividades econômicas, sendo elas o Sistema Financeiro e o da mineração. A quarta questão, nós precisamos ter uma política para tributar grandes rendas e grandes salários. É uma vergonha no Brasil nós termos uma Lei que estabelece um teto mas permitir que tenha gente que ganha acima do teto. Então nós precisamos rever essa questão da alíquota no Imposto de Renda. Até lá precisamos tributar tanto altas rendas, quanto altos salários. O sexto, eu sou defensor de o Brasil rever a Renúncia Fiscal. O tamanho da Renúncia Fiscal. Nós podemos rever em 50% o tamanho da Renúncia Fiscal no Brasil, que é mais de 400 bilhões. A Bolsa Empresário ela é na verdade treze vezes mais que a Bolsa Família. É uma vergonha ter uma Bolsa Empresário treze vezes superior a Bolsa Família, que é uma distribuição de renda para as pessoas mais vulneráveis, que não tem trabalho, não tem renda. Então eu defendo que esses impostos sejam dirigidos para gente fazer um fundo de recuperação da economia brasileira.”, destrinchou o edil.

“O ideal seria a Reforma Tributária justa, mas precisamos fazer uma travessia”

O deputado salienta que a equipe do Governo Federal está colocando o Brasil em dívidas e não está protegendo o povo em situação de risco. “O ideal era fazer a Reforma Tributária. Mas eu não acredito que esse governo tenha interesse. Então nós precisamos fazer uma travessia. Nós estamos financiando todos os investimentos no enfrentamento à covid baseado em títulos da dívida pública. Estamos endividando o Brasil. E ao mesmo tempo justificando, tentando justificar para o povo brasileiro, que o Brasil não tem condição de dar uma renda básica, um auxílio financeiro de 600 reais. Estamos deixando o povo brasileiro sem previsão. Sem previsibilidade econômica.”, salientou o deputado.

Brasileiros voltando para o mapa da fome

Reginaldo Lopes detalha que quase a metade da população brasileira está passando dificuldades em casa e que uma parcela significativa do povo tem voltado a miséria. “Hoje já temos mais de 100 milhões de brasileiros passando necessidades. Não tem alimentação em abundância, em qualidade. Não tem segurança alimentar. Já temos 30 milhões de brasileiros e brasileiras voltando para a extrema pobreza. Passando fome. Isso é uma barbárie. Nós não podemos aceitar esse modelo. E o Brasil é muito rico. Sempre foi muito rico. Então nós precisamos encontrar algum mecanismo de alguma garantia de reconstrução econômica a curto prazo.”, detalhou Reginaldo.

Reconstruir o país com mais igualdade

No final da entrevista, o deputado reafirma seu posicionamento, porém deixa nítido que a reconstrução do modelo atual precisa trazer justiça e empática com aqueles quem mais sofreram nos últimos anos. “Sou defensor de uma Reforma Tributária estruturada. Tenho juntado essas propostas individualmente, separadamente e propondo fazer esse Fundo Solidário. Mas defendo e volto a discutir em fazer uma Reforma Tributária justa e solidária para o projeto de país que nós precisamos reconstruir.”, finalizou o parlamentar.

Vinícius Xavier

Formou-se em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) - Unidade Divinópolis. Com 10 anos de carreira, entrou no Divinews em fevereiro de 2021. Cobre várias frentes, sendo atualmente repórter multieditorial. Tem interesse em pautas da ciência, cultura, entretenimento, futebol e política.

8 comentários em ““Bolsonaro colocou o Brasil no mapa da fome além de não comprar vacinas contra covid-19 no devido tempo”, afirmou o deputado federal Reginaldo Lopes em entrevista ao Divinews

  • 25 de maio de 2021 em 14:16
    Permalink

    kkkkk…ele tem razão, o mapa da fome foi instalado no ano da COPA DO MUNDO, quando estes bandidos de vermelho desviaram FORTUNAS DOS COFRES PÚBLICOS, fora os investimentos fora do Brasil que fizeram. Então, realmente estamos nesta situação, graças a estes ladrões que querem voltar ao poder para roubarem mais, dar bolsa miséria de 80,00 e achar que estão fazendo muito. VÃO DORMIR

    Resposta
  • 24 de maio de 2021 em 08:09
    Permalink

    Sr editor para falar que não é apartidário, faça uma entrevista com uma entrevista com um deputado federal da direita, vamos escutar outra versão dos fatos.

    Resposta
  • 23 de maio de 2021 em 13:15
    Permalink

    O Pior crime desse verme chamado Bozonaro, foi ter que me fazer concordar com petista.

    Resposta
    • 24 de maio de 2021 em 06:25
      Permalink

      O mancha nunca fez nada para a população, agora vem querendo lavrar, vai catar coquinho!

      Resposta
    • 24 de maio de 2021 em 10:20
      Permalink

      Verdade. O Bozo conseguiu algo inacreditável com a sua incompetência: ressuscitou os petistas, principalmente o molusco.

      Resposta
  • 23 de maio de 2021 em 12:54
    Permalink

    Tanto o dep quanto o dito Jornalista sao dois zeros a esquerda!!! O que vcs fizeram de positivo? Vao catar coquinho

    Resposta
    • 23 de maio de 2021 em 20:58
      Permalink

      Este retardado do comentário deve ter um cargo comissionado do prefeito cebolinha

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!