Secretário de Saúde confirma que Divinópolis realiza tratamento precoce contra covid-19 com medicamentos sem comprovação cientifica (vídeo)


O Secretário de Saúde de Divinópolis, Alan Rodrigo, em um vídeo/live tendo ao seu lado o prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo (PSC), e a vice-prefeita Janete Aparecida (PSC), explicitamente confirmou uma  afirmativa do prefeito de que Divinópolis já está realizando nos pacientes o tratamento precoce da covid-19 utilizando os remédios hidroxicloroquina, ivermectina, dexametazona e zinco – O prefeito revelou o uso dos medicamentos incentivado após ter  visto um vídeo que circulou nas redes sociais, relatando o caso de um possível “sucesso” que em tese a cidade de São Lourenço está alcançando usando os medicamentos. Na gravação, Gleidson chega a citar o nome da cidade.

Alan ao oferecer os medicamentos sem comprovação cientifica de cura da covid-19, que estão disponíveis na farmácia da Secretaria de Saúde, enfatizou: “Basta o médico prescrever os remédios e junto ter o termo de responsabilidade do paciente”

Na mesma gravação a vice-prefeita, descrente da compra de vacinas afirmou que já foram feitas seis intenções de compra, mas que “infelizmente a vacina no mercado, no plano real ainda não existe”, e que toda vez que ela ia concretizar o pedido o sistema enviava uma mensagem de; “não tem mais disponível”.

Gleidson ressaltou que os cadastramentos teriam sido feitos nos mesmo locais, que foram os dos municípios de Betim e Belo Horizonte.

Após as várias críticas que receberam ao postar o vídeo, que o Divinews imediatamente recebeu de terceiros, eles apagaram a publicação.

Vídeo completo

 

Após a publicação desta noticia, a prefeitura de Divinópolis, às 14h44min afirmou que a Secretaria de Saúde não institucionalizou o uso de tratamento precoce para a Covid-19, que o prefeito Gleidson após uma reunião por videoconferência realizada nesta última segunda-feira, apenas  solicitou que o secretaria de saúde analisasse a viabilidade e que uma equipe técnica foi criada para analisar a questão que foi muito debatida em rede sociais. 

Semusa não institucionaliza uso de tratamento precoce para a Covid-19

 

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), por meio de reunião realizada por videoconferência, nesta segunda-feira (15/03), discutiu a proposta de implantação, ou não, de Protocolo para Tratamento Precoce para a Covid-19 em Divinópolis.

O prefeito Gleidson Azevedo solicitou ao secretário de saúde, Alan Rodrigo da Silva, que analisasse esta viabilidade e uma equipe técnica foi criada para analisar a questão que foi muito debatida em redes sociais.

A equipe relatou que “atualmente não há evidências científicas para indicação dos fármacos hidroxicloroquina, cloroquina e ivermectina – associados ou não ao uso de corticosteroides, antibióticos (azitromicina) e vitaminas, dentre outros – na prevenção ou tratamento de Covid-19”.

O secretário municipal de Saúde destaca que, “todavia o médico tem autonomia para prescrição ou não de quaisquer desses medicamentos” e as pessoas devem preconizar os cuidados protetivos como isolamento social, higiene rigorosa e uso de máscaras.

O profissional que optar por prescrever tais medicamentos deverá preencher ou elaborar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), detalhado, compreendido e assinado pelo paciente. A conduta do médico deve ser anotada no prontuário, seja ela de prescrição ou não.

Sendo assim, ficou definido que, em respeito ao ato médico, a Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis “não formalizará documento institucional de indicação ou não de tais terapêuticas. Ressalta-se, no entanto, que respeitará a decisão do médico assistente em conjunto com o paciente e caso o prescritor opte pela conduta medicamentosa, a Secretaria de Saúde fornecerá os medicamentos aos usuários”.

Além do secretário de saúde, participaram da reunião, o médico infectologista Lécio Vasconcelos Junior; o médico generalista de unidade de saúde e professor da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), Hygor Kleber Cabral Silva; o enfermeiro conselheiro do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-MG) e também professor da UFSJ, Richardson Miranda Machado; a diretora da Vigilância em Saúde, Érika Camargos e  a diretora da Atenção Primária à Saúde, Daniela Dias Vasconcelos.

 

 

18 comentários em “Secretário de Saúde confirma que Divinópolis realiza tratamento precoce contra covid-19 com medicamentos sem comprovação cientifica (vídeo)

  • 16 de março de 2021 em 22:31
    Permalink

    Piada hein ? não sabe se sabe se deve se não deve se resolve se não resolve , nunca vi tanto (si) e nada de objetivo , toma mais essa população de Divinópolis .

    Resposta
  • 16 de março de 2021 em 22:05
    Permalink

    Mais um Bolsominio . Que vergonha para Divinópolis ter uma vice e um prefeito desses. Só lamento quem votou nestes dois.

    Resposta
  • 16 de março de 2021 em 18:19
    Permalink

    O maior problema é ter mais de um canalha pra comandar. Cara de pau. Miserável. Peste. Podre. É essa dona Maria ai do lado também não vê reportagens nem por passa tempo? Hoje eu tenho certeza que para sercpolitico tem que ter diploma de preferência direito político. Cadê os vereadores gente?????,?

    Resposta
  • 16 de março de 2021 em 17:19
    Permalink

    Prefeito com selo Bolsonaro de eficiência. Ainda bem que nao votei nisso ai.

    Resposta
    • 17 de março de 2021 em 12:38
      Permalink

      Os 3 patetas q não sabem q estão fazendo na prefeitura, estão mais perdidos q cego em tiroteio. Tem um ano q estão falando q isso não funcionam e eles querendo tratar o povo com isso. Realmente não sabem o q estão fazendo na prefeitura.

      Resposta
  • 16 de março de 2021 em 15:59
    Permalink

    Povo vamos embora dessa cidade que não tem emprego nao tem indústria e tem a marmota de remédio não comprovado.Cade os vereadores???????????????Cadê o ministério público?????,,?

    Resposta
  • 16 de março de 2021 em 15:41
    Permalink

    hahaha, ta osso . Mais adeptos do capitão cloroquina a cada dia que passa aparecem e muito mais mortes sao registradas , parece que ficou normal isso. Gente burra e ignorante apoiando um canalha genocida.

    Resposta
    • 16 de março de 2021 em 16:30
      Permalink

      Que falta esta fazendo um gestor de verdade ou seja Marquinho Clementino

      Resposta
  • 16 de março de 2021 em 13:54
    Permalink

    boa tarde,

    é simples pessoal entre no site da prefeitura de sao lourenço e veja quantos pacientes tem internado
    eu fiz uma pesquisa e tem somente 2 internaçoes.

    tirem suas conclusões.

    Resposta
    • 16 de março de 2021 em 17:54
      Permalink

      Porque você não se identifica? Anônimo? Fala sua identidade pra todos verem, porque se esconder já que está defendendo tomar re.efiis sem a devida aprovação, tu é médico , cientista ou aventureiro? É por isso que estamos neste caos, tamanha ignorância….

      Resposta
  • 16 de março de 2021 em 13:42
    Permalink

    MAIS UMA BARCA FURADA DO VERDUREIRO!!!FICO PENSANDO COMO O SECRETÁRIO DE SAÚDE, QUE JÁ FOI DIRETOR REGIONAL DA SECRETARIA ESTADUAL E NÃO RECOMENDAVA O TRATAMENTO PRECOCE DA COVID19 SEGUINDO NORMAS TÉCNICAS DO ZEMA, SIMPLESMENTE MUDA DE IDEIA E JOGA NOSSA CIDADE NA MÍDIA NACIONAL ,ONDE SEREMOS MOTIVO DE CHACOTAS AOS MONTES!!!DÍVINOPOLIS NÃO MERECE OS POLÍTICOS QUE TEM!!!QUE VENHAM AS ELEIÇÕES DO EM 2022 PRA GENTE DAR UM BASTA NESSA TURMA!!!!

    Resposta
    • 16 de março de 2021 em 15:56
      Permalink

      Que Isso?? ??????? Esse prefeito é cheira chulé do maluco do presidente. Só sabe fazer show a merda. Louco.

      Resposta
  • 16 de março de 2021 em 13:03
    Permalink

    O protocolo de tratamento tem de ser científico, tem algum estudo sério que comprove a eficácia dessas drogas?

    Resposta
    • 16 de março de 2021 em 13:37
      Permalink

      Simples. Se não quiser tomar, não toma. Ninguém será obrigado a tomar remédio.

      Resposta
      • 16 de março de 2021 em 16:11
        Permalink

        correto, esse tratamento não foi imposto, somente se o médico quiser prescrever e se o paciente quiser usar

        Resposta
      • 16 de março de 2021 em 18:01
        Permalink

        Não eh sobre QUERER OU NÃO tomar, sua anta. Vê lá se paciente ter discernimento técnico pra entender de remédio e falar “este eu não tomo”. A capacidade TÉCNICA é do profissional e não do paciente, ô anta! Portanto, uma vez não comprovada a eficácia do medicamento, cabe aos gestores NÃO O DISPONIBILIZAREM PARA ESTE FIM.
        Anta!

        Resposta
    • 16 de março de 2021 em 14:15
      Permalink

      Acredito que, se a população estivesse com sintomas de XISTOZE, talvez esses medicamentos fariam algum, efeito, mas se tratando de Covid-19, acho que é a mesma coisa que tomar plascebo…..Mas, como dizem os mais antigos: BURRICE NÃO TEM CURA…….

      Resposta
      • 18 de março de 2021 em 11:07
        Permalink

        Pra que tanta ofensa, toma quem quer. Se tiver com câncer e te mandar tomar xixi pq não tem outro tratamento vc não tomaria. Eu tomo toda hora.

        Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3  +  5  =