Editorial: QUEM PAGARÁ A CONTA?


A pandemia do coronavírus no Brasil entra no seu momento mais dramático. As mortes se multiplicam e a cada dia leva alguém de quem somos próximos. Divinópolis é um recorte fiel do que acontece no país, com o crescente número de casos confirmados e mortes.

Na cidade já são mais de 356 casos confirmados e 12 mortes pela doença. Número que tende a aumentar visto que se aproxima o pico da Covid-19, previsto para a segunda quinzena de julho.

A situação pode se tornar mais delicada se o comitê que delibera sobre a pandemia do coronavírus na cidade ceder às argumentações de entidades de classes empresariais que pautam a retomada do horário normal de funcionamento do comércio da cidade.

Com mais gente na rua, maior a possibilidade de propagação do coronavírus. Com a possibilidade de ampliar o número de mortes. Quem está disposto a pagar essa conta?

Em Belo Horizonte, capital do Estado, o prefeito Alexandre Kalil mandou fechar o comércio, liberando só os serviços ditos essenciais. No início do mês de junho BH flexibilizou a quarentena e o que se viu foi um aumento exponencial no número de notificações e morte. São mais de 5.000 casos confirmados de covid-19 e 108 mortes.

Enquanto Belo Horizonte e outras cidades da região metropolitana – que estão próximas a Divinópolis – se esforçam para manter as pessoas em casa, aqui se discute aumentar o horário de funcionamento do comércio. Soma-se a isso, o decreto que autorizou a reabertura de igrejas e templos religiosos.

Medidas como essas antes do pico da doença só potencializam o risco de novas mortes e o estrangulamento do serviço de saúde que poderá não ter condições de atender a todos. O fato do índice de ocupação de leitos ainda ser positivo trazendo uma falsa segurança diante da pandemia, a situação pode mudar do dia para a noite, dada a situação alarmante de um outro índice, o do isolamento social, com ou sem necessidade teimam em “bater pernas”. Aí, de novo a pergunta: Quem pagará a conta?

É necessário ter equilíbrio e bom senso acima de tudo. Sem o controle do coronavírus não há como flexibilizar. Com o risco de se abrir hoje e fechar amanhã. Neste meio tempo vidas se perdem e a economia não acelera.

Contudo, o “deadline” da vigilância sanitária do Divinews é final de julho.

3 comentários em “Editorial: QUEM PAGARÁ A CONTA?

  • 1 de julho de 2020 em 13:27
    Permalink

    Ué espero q não cobrem do bolsonaro, seria bom enviar a conta pra China. Ué e uma doença, querem arrumar um culpado, tá na China, mas tem outros componentes como os políticos desse país, alguns bastante irresponsáveis com suas atitudes com a população pela falta de apoio ao povo. A conta quem paga são classe deles.

    Resposta
  • 1 de julho de 2020 em 11:51
    Permalink

    Ah!, se Divinópolis tivesse um KALIU como prefeito!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Resposta
  • 1 de julho de 2020 em 11:24
    Permalink

    Vamos ficar em casa e morrer de fome!

    Legal essa ideia🙋

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!