MP, DE IPATINGA denuncia PROFISSIONAIS DE SAÚDE por OMISSÃO de socorro

Publicado por: Redação

 Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em Ipatinga  ofereceu, nesta semana, denúncia contra duas médicas e uma técnica de enfermagem, acusadas de omissão de socorro em uma Unidade Básica de Saúde do bairro Limoeiro, em Ipatinga, que levou à morte um bebê recém-nascido de 16 dias, em 2019. As médicas também foram denunciadas por falsidade de atestado médico.

De acordo com a denúncia, expedida por meio da 1ª Vara Criminal da Comarca de Ipatinga, as três “deixaram de prestar assistência, quando possível fazer sem risco pessoal, a Ane Emanuelly Silva Souza Mariano, criança recém-nascida (16 dias de vida), em grave e iminente perigo, resultando na morte desta”.

Continua depois da publicidade

Segundo inquérito policial, uma médica teria registrado o ponto na unidade de saúde, mas, no momento da chegada do bebê, já não estava mais no local. Enquanto isso, a outra não teria comparecido ao trabalho e apresentou, dias depois, atestado médico assinado pela colega de trabalho, sem indicar o motivo.

Para o MP, o documento foi uma forma de fugir da responsabilidade do caso.

“Segundo o apurado, após a ocorrência do fato 1, a denunciada (médica 1), diante do não comparecimento da coautora (médica 2) à unidade de saúde, para cumprir seu expediente laboral, emitiu, em favor desta, atestado médico ideologicamente falso, buscando acobertar-lá da conduta ilícita então praticada, bem como aboná-la da ausência ao trabalho. Na ocasião, (médica 1) atestou, dissimuladamente, que (médica 2) necessitava de afastar-se das atividades laborais, pelo período de 1 dia (26/08/2019), por motivo de doença, sem, contudo, indicar qual seria a doença ou enfermidade que a acometia”.

Técnica de enfermagem teria orientado a levar a criança para o Hospital Márcio Cunha

O caso aconteceu no dia 26 de agosto de 2019. De acordo com o Ministério Público, os pais da criança levaram a recém-nascida com dificuldades respiratórias e com roxidão nos lábios na Unidade Básica de Saúde do bairro Limoeiro. Lá, receberam atendimento de uma técnica de enfermagem que solicitou a ajuda de uma colega de trabalho, que atuava na mesma área, para o atendimento do bebê.

Essa companheira, ainda segundo o MP, teria conversado com os pais e orientado a eles para levar a recém-nascida para o Hospital Márcio Cunha, mesmo com a gravidade do quadro.

Os pais entraram em um ônibus circular e foram até o hospital. No trajeto, a recém-nascida sofreu parada respiratória e recebeu massagem cardíaca do pai.

O inquérito aponta ainda que a situação foi passada ao motorista, que não fez mais nenhuma parada e foi direto para o hospital, onde o bebê foi atendido por médicos e enfermeiros, mas não resistiu e morreu.

O G1 Vales entrou em contato com a Prefeitura de Ipatinga, responsável pelo atendimento no local, e com a defesa das denunciadas, mas não tinha recebido retorno até a publicação da reportagem do site.

 

comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos felizes por você ter escolhido deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de privacidade.

Continua depois da publicidade