Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ é palco de primeira pré-candidatura trans a deputada estadual do centro-oeste mineiro


Pela primeira vez na história do centro-oeste mineiro, as eleições para a Câmara de Minas Gerais contará com a pré-candidatura de uma mulher trans para deputada estadual, a pré-candidata Flávia Gontijo. Para o lançamento oficial deste momento na política mineira, Flávia Gontijo escolheu o Dia  Internacional do Orgulho LGBTQIA + para o nascimento deste projeto de ocupação e resistência.

Segundo a pré-candidata, a escolha do dia faz referência ao marco zero do movimento contra LGBTfobia, que teve como linha de frente as mulheres trans. O dia 28 de junho foi instituído como Dia  Internacional do Orgulho LGBTQIA+ em homenagem à revolta de Stonewall, ocorrida em 1969, que pediu basta à violência cometida contra a comunidade LGBTQIA +.

Para Flávia Gontijo, a representatividade LGBTQIA+ na política é urgente. “Minha pretensão de ocupação de espaço na política institucional, antes de um desejo,  é uma necessidade. Faço parte de uma comunidade que historicamente vive em um contexto de negação de direitos e apagamento da nossa existência. É dever do campo democrático visibilizar identidades socialmente apagadas e é meu dever colocar meu corpo e minha voz  na defesa de uma sociedade onde caibam todas as existências, sem exclusões”, diz.

A comunidade LGBTQIA+ continua invisibilizada em nossa sociedade. Um exemplo citado pela pré-candidata é a ineficiência nos programa de combate à LGBTfobia. Em 2022, o programa de governo “Ações de Prevenção e Combate à Homofobia no Distrito Federal”, não desembolsou um centavo sequer para ser usado em políticas públicas em prol da população LGBTQIA+, mesmo com R$ 50 mil já previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) para este programa. Além da falta de preocupação do Estado, a violência contra pessoas LGBTQIA+ também é exorbitante no Brasil, apesar da transfobia ser por aqui desde 2019, o país é ainda o que mais mata pessoas trans e travestis em todo o mundo pelo 13° ano consecutivo.

A própria pré-candidata foi vítima de transfobia no último ano durante viagem a Brasília para participação em curso de formação política para mulheres. Na ocasião, um hóspede impediu sua entrada no elevador do hotel pelo fato de Flavia ser uma mulher trans. Mesmo após ser vítima do crime, Flavia seguiu firme e no final foi aplaudida de pé ao receber seu diploma do curso, organizado pela fundação 1° de Maio e partido Solidariedade. No evento a candidata declarou: “Não vou me calar! Continuarei resistindo!”.

Flávia vem ocupando seu espaço na política mineira desde 2016, quando ingressou no curso Serviço Social na UEMG-Divinópolis “Nesse período no âmbito do curso já fui me politizando e entendendo os atravessamentos da política nas nossas vidas. Em 2018, na ascensão do bolsonarismo, me aprofundei na política ao ver que minha vida estava ameaçada pelo discurso de ódio que se intensificou naquele ano, entendi que precisava reagir a tanto ódio e decidi ingressar na política institucional para potencializar a defesa das minhas pautas. Em 2020, tentei pela primeira vez ingressar neste espaço me candidatando a vereadora em Abaete-MG”.

O lançamento da pré-candidatura de Flávia Gontijo, no dia 28 de junho, será um momento de  fortalecimento da representatividade e de integração de arte e cultura. O evento contará com a presença de lideranças e  artistas locais que irão apresentar e expor sua arte através de músicas, recitação e exposição de artes.

O espaço escolhido foi a Casa Coletiva, um ambiente acolhedor, democrático e que reúne pessoas diversas para troca de afetos, socialização e troca de conhecimento através de rodas de conversa, imersões culturais e atividades culturais diversas.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  33  =  43