Por Laiz Soares: Perversão, hipocrisia e maldade, retrato de uma sociedade cristã, repleta de “Cidadãos de Bem”


Quanto vale uma vida? Porque algumas mortes comovem muito mais do que as outras, e algumas passam desapercebidas, naturalizadas? Já faz um tempo que tenho me sentido bastante incomodada com a quantidade de notícias de jovens sendo assassinados em alguns bairros de nossa cidade. Mas parece que isso não incomoda, indigna nem revolta os políticos daqui. A linguagem neutra incomoda e preocupa bem mais nossa classe política, e algumas lideranças religiosas, que parecem passar longe da essência do cristianismo. Também a fome, o desemprego, os crimes de feminicídio preocupam menos os cidadãos de bem que prezam pela família, pela moral e pelos bons costumes. Os “cidadãos de bem” estão preocupados com a própria família, a dos outros que se exploda.

Um homem foi assassinato em uma festa ontem, e o show continua, como se nada tivesse acontecido. Que sociedade macabra, perversa e má é essa que canta e dança em cima de mortos? Que sociedade é essa que lamenta a morte de uma pessoa assassinada como se tivesse morrido por uma fatalidade, e não um crime? Eu vi um político da cidade lamentando a morte do amigo como se ele tivesse falecido em casa, dormindo. O cara foi assassinado, isso é crime, e deve ser combatido! Ele é um homem negro, pobre, que estava fazendo seu trabalho e foi morto por um homem da elite divinopolitana que não aceitou seguir as regras do evento e que era o ganha pão do segurança Edson fazer serem cumpridas. Um homem trabalhador foi morto porque estava fazendo o seu trabalho, e um “cidadão de bem” não aceitou isso e o agrediu de forma brutal e fatal. Um “cidadão de bem” que levou um soco inglês, uma arma, para uma festa, é o mesmo que quer poder sair armado para defender sua família.

Cadê a mesma revolta e indignação perante a este crime por parte dos políticos da cidade? Onde estão os líderes religiosos famosos que ainda não gravaram um vídeo indignados com essa barbárie? Defender a família e os valores cristãos não é defender o direito à vida e à dignidade humana acima de tudo? Ou a defesa da vida é seletiva, só para o que interessa? Hanna Arendt, grande pensadora da história da humanidade e filósofa, escreveu sobre a banalidade do mal. O que é a perversão? O que é o mal? A questão do mal é um ponto já discutido em diversas obras filosóficas. A história da humanidade está repleta de fatos que beiram o absurdo em questão de crueldade, nos fazendo questionar até que ponto a barbárie humana é capaz de chegar. Contudo, por mais terríveis que possam ser algumas ações, não devemos nos esquecer que elas podem ser cometidas pelo mais comum dos humanos: o mal não se esconde atrás de monstros e outras evocações naturais ou sobrenaturais que nossa imaginação possa criar, mas sim no mais banal dos indivíduos.

A banalização do mal consiste em se acostumar e naturalizar a barbárie, o inaceitável. É ser conivente e se calar diante de algo que deveria ser questionado e combatido. Além de ser um trabalhador simples, de uma classe social mais vulnerável, o segurança também era um homem negro, o que torna tudo ainda mais emblemático e estarrecedor, já que as estatísticas mostram que os homens negros são os que são mais mortos no país. Me lembrou o caso do Carrefour, onde um negro foi morto dentro no supermercado. Vidas negras importam. Vidas pobres importam. Vidas de mulheres importam.

Que Deus console o coração e a dor dessa família, acolha Edson em seus braços e o dê a sua paz. Jesus disse para amarmos o próximo como a nós mesmos. Que cristianismo é esse que espalha ódio e não amor? “Fiz porque quis”, disse o autor do crime. O retrato de uma sociedade doente, dominada pelo mal, pelo ódio, pela truculência, violência e indiferença, que se disfarça de boas pessoas defensoras da moral, da família e dos bons costumes e massacra vidas, persegue, odeia, mata. Um povo que está mais preocupado com a possibilidade remota e improvável do uso de uma linguagem neutra em escolas do que com pessoas sendo assassinatos no quintal das suas casas. Um povo que não se importa em dançar em cima da morte, ou faziam festa enquanto muitos milhares morrem de COVID, mas não pensa duas vezes para gravar um vídeo ou lançar uma bravata inútil em defesa da família e dos bons costumes. Um povo religioso, mas distante da espiritualidade e da vivência prática do cristianismo, que elege políticos que são a sua cara, imorais, antiéticos, hipócritas e incoerentes.

Falsos cristãos que fazem tudo, menos amar o próximo como a si mesmo. “E ainda disse-me o SENHOR: Tudo isso que estes profetas andam divulgando em meu Nome é mentira! Eu não os enviei nem lhes dei ordem alguma para falar em meu Nome, sequer falei com eles. Eles vos profetizam falsas visões, adivinhações, doutrinas inúteis e o engano de suas próprias mentes e corações!” Jeremias 14:14. “Eu não mandei esses profetas, entretanto eles próprios decidiram sair correndo, pregando uma mensagem que não lhes entreguei, mas que eles alardearam.” Jeremias 23: 21-25.  Muito alarde e barulho em torno de questões vazias do que não é a essência da fé, que deveria ser a busca pela justiça, pelo amor e pela dignidade e preservação da vida humana, e um silêncio ensurdecedor diante do mal.  Deus tenha misericórdia de nós.

 

11 comentários em “Por Laiz Soares: Perversão, hipocrisia e maldade, retrato de uma sociedade cristã, repleta de “Cidadãos de Bem”

  • 29 de setembro de 2021 em 15:05
    Permalink

    Esse discurso de esquerda chega a dar vômitos ! espero que essa moça nunca ocupe nenhum cargo público esta cidade ! que miopia, que visão estereotipada, preconceituosa, eleitoreira e amadora dessa senhorita.

    Resposta
  • 28 de setembro de 2021 em 20:53
    Permalink

    Tá ok, mas o que essa vereadora tem a dizer de Lula, Aécio e outros corruptos e comunistas assassinos que defende? Duplo padrão, hipocrisia é o nome. Não tem vergonha de subir no caixão de um trabalhador para pedir voto, Lastimável.

    Resposta
  • 27 de setembro de 2021 em 13:42
    Permalink

    Quanta hipocrisia Laiz Soares… foi um crime bárbaro, cruel e inafiançável, e o autor tem que “pagar”pelo que cometeu! Independentemente da cor da pele, do status social, religião e etc… “TODAS VIDAS IMPORTAM”. O problema moça é que quando lhe convém você segrega ou generaliza… Esse seu papel é muito feio e lamentável, tirar vantagem politica deste doloroso e terrível episódio… Quem cometeu esse crime, não é cristão e não pode ser tratado como tal! Quanto a você, volte o mais rápido para a igreja de onde se desviou, pois conforme a Bíblia que você citou _(mesmo fora de contexto)_, assegura que o estado daquele que se desvia dos caminhos do Senhor é 7x pior o primeiro estado. _(Diante disso, vai e leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e, entrando, passam a morar ali. E o estado final daquela pessoa torna-se pior que o primeiro. Assim também ocorrerá com esta geração má!” Mt 12.45)_
    Com a mesma medida que você julga, será julgada! Mc 4.24
    Deixo aqui meus sentimentos aos filhos, esposa e familiares do Edson. que Deus console a família e amigos. E que justiça seja feita; É o mínimo que esperamos!

    Resposta
  • 27 de setembro de 2021 em 08:19
    Permalink

    A generalização, como exposta no artigo, também é manifestação de ódio, preconceito, desrespeito.

    Resposta
  • 26 de setembro de 2021 em 22:27
    Permalink

    Achei muito coerente em tudo q a Lais escreveu.
    Apenas queria ressaltar o fato de que o assassino já foi liberado, pagou fiança cara.
    Então, o sujeito matou, pagou e tá solto? Essa é a lei do país? É nisso q devemos acreditar ou devemos pedir uma revisão no CCPC ?
    O STF precisa revisar algo q foi criado na década de 50 !!!

    Resposta
  • 26 de setembro de 2021 em 20:45
    Permalink

    Cidadãos do bem e cristãos de verdade não mata pessoas. Jamais.

    Parem de generalizar isso, e parem de misturar as coisas.

    Bandido é bandido.
    Família do bem, frequenta a igreja e segue os mandamentos de Deus e da igreja.

    Fim
    E viva Cristo rei.

    Resposta
  • 26 de setembro de 2021 em 19:22
    Permalink

    Espero que meu comentário seja publicado! Quando li o texto protesto de indignação bem redigido pensei: ainda bem que alguém teve a coragem de se mostrar indignada… mas só ela? Sei que os coletivos, como o Raça Mundi ,se movimentaram e pedem justiça! Muitos e muitas negros e negras já perderam suas vidas assim! Se não nos indignarmos, os “cidadãos de bem” irão se juntar à nossa voz?

    Resposta
    • 26 de setembro de 2021 em 22:49
      Permalink

      Parabéns pela fala sábias palavras

      Resposta
    • 27 de setembro de 2021 em 13:43
      Permalink

      Cristãos de verdade e cidadãos do bem não matam, não são assassinos. Para eles qualquer vida importa: negro, branco, índio, desde a concepção. Só quem deu a vida, pode tira-la. Parem de insitar o ódio, o racismo e a discriminação.

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  73  =  82