Restrições em função da pandemia covid-19 provocam fechamentos de dezenas de empresas no Centro de Divinópolis


Depois de ficar quase dois meses consecutivos na Onda Roxa, Divinópolis entrou neste sábado (08), na terceira semana na Vermelha do Programa Minas Consciente. A situação sanitária no município tem tido um ” efeito sanfona”, por suas idas e vindas entre flexibilizações e restrições, desde o mês de março de 2020, quando a cidade tomou de fato consciência da gravidade da pandemia da covid-19. Já no mês seguinte, em abril registrou o  primeiro caso de óbito de Minas Gerais, em Divinópolis, de uma médica de 47 anos que tinha retornado da Itália – país que naquela ocasião era o epicentro do vírus.

Entre as permissões e restrições de acordo com as ondas do Minas Consciente, diversos segmentos tem encontrado dificuldade de garantir seus funcionamentos, afinal, a grande maioria não são considerados como serviços essenciais e todos observam a situação do contágio da doença na cidade. Nesse vai e vem, muitos tiveram que fechar em definitivo em todos os segmentos e independentemente do tempo de mercado.

O Divinews ao fazer um levantamento dos estabelecimentos comerciais fechados, constatou um bom movimento de vendas na região central da cidade nesta última sexta-feira (07), em suas principais vias comerciais, como a Avenida 1° de Junho, Rua Pernambuco e Rua Goiás. Apesar da pandemia, havia um grande fluxo de pessoas nas ruas, possivelmente motivado por ser o primeiro fim de semana após o quinto dia útil, data em que os trabalhadores recebem seus salários, somado ao fato do movimento de vendas que antecedeu o Dia das Mães.

Contudo, como contraponto ao grande fluxo de pessoas nas ruas, em consequência da crise econômica provocado pela pandemias da covid-19, e as restrições de funcionamento imposta por ondas restritivas, muitas empresas encerraram suas atividades e os imóveis encontram-se com placas de “aluga-se” de várias imobiliárias disputando o mercado de locação, totalizando 65 imóveis que estavam sendo oferecidos pelas imobiliárias,  Achei, Casa Nova, Francisco Imóveis, Gerais Imobiliária, Somar e a Porto Seguro. Nas três ruas percorridas, os alugueis de acordo com pesquisa do Divinews variaram de R$ 1 mil até R$ 10 mil reais.

O número de empresas fechadas no entanto é possivelmente bem maior que os imóveis encontrados nas três principais vias comerciais da cidade, já que não foram pesquisadas as ruas transversais, deste a Avenida Getúlio Vargas até a Avenida Paraná, como a Rua Antonio Olímpio de Morais, a Avenida 21 de Abril e a Avenida Sete de Setembro, e nem tão pouco os comércios de outros bairros próximos.

O Divinews tentou fazer um levantamento junto às entidades patronais de classes, como a ACID e CDL, porém nem elas detinham informações dos registros das baixas de empresas, do encerramento de de suas atividades, isso por que muitas delas demoram dar baixa na junta comercial e oficialmente informar as entidades patronais.

 

Com: Geraldo Passos

Fotos: Vinícius Xavier

 

 

Vinícius Xavier

Formou-se em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) - Unidade Divinópolis. Com 10 anos de carreira, entrou no Divinews em fevereiro de 2021. Cobre várias frentes, sendo atualmente repórter multieditorial. Tem interesse em pautas da ciência, cultura, entretenimento, futebol e política.

5 comentários em “Restrições em função da pandemia covid-19 provocam fechamentos de dezenas de empresas no Centro de Divinópolis

  • 9 de maio de 2021 em 19:58
    Permalink

    Cada idiota que se manifesta aqui, da medo fe tanta ignorancia . Lembra do que pregavam ? A economia a gente vê depois. A conta esra chegando. Quanto a vacina , e bom lembrar que pra se criar uma vacina segura sem qualquer duvida de uso , seria necessario de 8 a 10 anos. E muito facil criticar , mas eu pergunto: e se o presidente tivesse comprado a vacina que nao tinha sido autorizada pela Anvisa , e os efeitos colaterais fosse danosos? Responda ai , prifeta do acontecido.

    Resposta
  • 8 de maio de 2021 em 20:43
    Permalink

    A mídia, Divinews por exemplo, estimulou o lockdown, agora vem com essa matéria sensacionalista,

    Que vergonha,
    Uma hora a conta chega.

    Resposta
  • 8 de maio de 2021 em 19:40
    Permalink

    sem saber muito…sei que varias lojas que ocuparam estes pontos comerciais nas fotos postadas apenas mudaram se de endereço devido ao valor de aluguel e a falta de entendimento do proprietário do imóvel haja visto o cenário e dificuldade comercial. Vcs fizeram ou farão tbm o levantamento de qtas empresas ou mei foram criados nessa mesma época? vao em lojas especializadas em vendas de maquinário para empresas (Memil é uma delas) e informe como foi o movimento pra eles…. falta equipamentos nos fornecedores… principalmente os de cozinha…

    Resposta
  • 8 de maio de 2021 em 15:20
    Permalink

    Só falo uma coisa:
    Seu comércio tá fechado pq o Bozo não comprou a vacina ”
    Foram 11 propostas.

    Resposta
    • 9 de maio de 2021 em 19:57
      Permalink

      Cada idiota que se manifesta aqui, da medo fe tanta ignorancia . Lembra do que pregavam ? A economia a gente vê depois. A conta esra chegando. Quanto a vacina , e bom lembrar que pra se criar uma vacina segura sem qualquer duvida de uso , seria necessario de 8 a 10 anos. E muito facil criticar , mas eu pergunto: e se o presidente tivesse comprado a vacina que nao tinha sido autorizada pela Anvisa , e os efeitos colaterais fosse danosos? Responda ai , prifeta do acontecido.

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!