Vereadores detonam condição de circulação dos ônibus da Transoeste e cobram atitude mais rigorosa da Prefeitura


Na reunião ordinária desta terça-feira (16), predominaram nas falas dos vereadores diversas broncas para com a empresa Transoeste, a respeito de como a concessionária responsável pelo transporte público na cidade está prestando maus serviços em várias das linhas em que as frotas circulam. Da última semana até a manhã de hoje, muitos registros foram publicados nas redes sociais, os quais mostravam os veículos com superlotação em plena pandemia do Novo Coronavírus.

A situação entretanto não vem de agora. Desde o surgimento do Novo Coronavírus em Divinópolis, em março de 2020, a Secretaria de Trânsito e Transporte (Settrans), coordenada à época pelo secretário Tenente Marcelo, e agora sob responsabilidade do titular Lucas Estevam, foi e voltou em decisões quanto a reduções e aumento nas frotas, além também de alterações em horários e itinerários.

O vereador Roger Viegas (Republicanos) criticou o prefeito Gleidson Azevedo (PSC). O edil cobrou que o gestor do Executivo não fique só nas poses para a internet. “Aqui eu cobro o prefeito. Nós estamos fartos de vídeos. Não é gravar e postar um em que cobra o dono e depois da reunião, cumprimentar e abraçar, como se nada tivesse acontecido. Isso o povo de Divinópolis não aceita mais. Essa empresa lucra milhões e não está nem aí para o povo.”, criticou.

Já o agente político irmão do prefeito, Eduardo Azevedo (PSC) falou em herança de gestões passadas e revelou a data de contrato da Transoeste com a Prefeitura. “Esse problema vem de anos. De gestões passadas. A Transoeste é uma vergonha. Ela e a Copasa são os dois maiores tormentos de Divinópolis. Infelizmente o contrato dessa empresa vai até 2027. Mas nós vamos cobrar para que ela cumpra a rigor todo o combinado, se não tomaremos outras providências.”, revelou.

 

Vereadoras Ana Paula do Quintino (PSC) e Lohanna França (Cidadania) fizeram fiscalização contundente em várias linhas de ônibus do Consórcio Transoeste; as parlamentares notificaram a empresa ao Ministério Público por descumprimento de uma série de medidas sanitárias. Foto: Reprodução/Redes Sociais

 

Vereadoras fiscalizam Transoeste e cobram rigor do prefeito

Na última semana, as vereadoras Ana Paula do Quintino (PSC) e Lohanna França (Cidadania) saíram às ruas ainda na madrugada e pegaram conduções de bairro a bairro em alguns pontos de Divinópolis. Nos trajetos, as parlamentares constataram e registraram em vídeo a superlotação dos veículos e ficaram abismadas com as condições em que usuários e trabalhadores estão submetidas. “É um ninho de Covid isso aqui. Daqui a pouco esse povo vai bater na UPA. E não tem leito. Mas nós estamos indo agora ao Ministério Público protocolar um pedido para que essa situação seja resolvida.

Cobrança do prefeito para com a Transoeste ainda não resultou em melhorias

Foi de maneira categórica e enfática, que o diretor do Consórcio Transoeste, Felipe Carvalho, ouviu as falas contundentes do deputado estadual Cleitinho Azevedo e seu irmão, o prefeito Gleidson Azevedo, a respeito dos problemas no transporte coletivo da cidade. A reunião citada pelo edil Roger Viegas (Republicanos) ocorreu no dia 04 de janeiro deste ano. O gestor  da empresa entretanto escutou calado as críticas dos parlamentares, enquanto eles apontavam os gargalos da companhia. (Confira um trecho do encontro).

Cleitinho rasgou o verbo contra a firma responsável pelos ônibus na cidade e detonou uma possível cogitação de aumento na tarifa. “Vocês já não pagam CGO – Custo de Gerenciamento Operacional, tiraram trocador e ainda quer aumentar a passaginha? Eu como deputado, se não estou satisfeito com o meu trabalho e com o que eu ganho eu peço pra sair e pronto.”, questionou o edil.

 

Prefeito Gleidson Azevedo desafiou o Diretor do Consórcio Transoeste em reunião na Prefeitura, mas até o momento não houve nenhuma medida concreta que resolvesse o problema. | Foto: Reprodução/Instagram

 

Em seguida, Gleidson escutou a fala do deputado aliado e seguiu com as pontuações em tom de cobrança. “Enquanto eu estiver aqui a gente não vai aumentar isso não. E eu queria saber de você honestamente… Não quero briga, nem nada. Como ser humano. Você acha que o transporte público está bom? Você não tem vergonha?”, perguntou de modo instigante.

Nitidamente embaraçados e intimidados, os representantes do seguimento se limitaram a apenas escutar e concordar com as falas colocadas à mesa. Ao final do vídeo, Gleidson aperta as mãos do convidado principal e ambos reforçam o compromisso entre Executivo e a prestadora do serviço. Felipe anseia. “Queremos contar continuar a contar com a Prefeitura”., frisa. Gleidson então respondeu de imediato. “Não precisam contar com dinheiro não. Divinópolis agora tem prefeito.”, endossou.”

Tarifa do ônibus em Divinópolis e região

O atual valor do vale transporte é de R$4,15 e em 2020 também não houve reajuste. Entretanto, em anos anteriores a revisão tarifária foi sequencial e em alguns momentos até excedeu o teto da inflação e aumento do salário mínimo. Situações presentes por exemplo na gestão do ex prefeito Vladimir Azevedo, quando o preço ficou acima até mesmo do valor do combustível diesel, à época.

Divinópolis hoje tem um dos valores considerados dentre os mais caros do estado e país, quando comparada não só a cidades do mesmo porte, mas também a distância percorrida entre os itinerários das frotas. Em paralelo a municípios vizinhos, como Nova Serrana e Itaúna (R$4), e até mesmo na capital Belo Horizonte (R$4,50 e R$3,15 – circular), o comparativo e o custo benefício é evidenciado.

Licitação

De acordo com a Lei Orgânica Municipal, resoluções da Casa Legislativa e o próprio contrato assinado, a cidade não pode romper unilateralmente o compromisso com a empresa sem antes promover um novo edital, ideia que, assim como no caso de outras prestadoras de serviço à Divinópolis é vista com bons olhos pela atual gestão.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  86  =  88