BASTIDORES: O que de fato provocou o encerramento da votação da redução dos salários dos vereadores de Divinópolis (veja vídeos)


O cidadão e eleitores de Divinópolis precisam antes de fazer qualquer juízo de valor sobre a atuação dos políticos de um modo geral precisam saber o que de fato acontece nos bastidores. Nem sempre aquela suposta proposta de boa ação, é boa realmente, está sim, é carregada de estratégia. E nem sempre aqueles que para a população se aparentam como mocinho, os salvadores da pátria, na verdade o são. É preciso ler muito nas entrelinhas, conversar com um conversar com outro, analisar por todos os ângulos para aí sim tirar suas próprias conclusões e não comprar pseudas verdades de terceiros, e logo disseminar nas redes sociais e nos WhatsApp de pé de ouvido.

Dito isso, vamos ao que aconteceu de fato na votação que ocorreu na Câmara de Vereadores de Divinópolis na sessão extraordinária na manhã desta quinta-feira (23), e que o objetivo era votar o projeto EM-020/2020 de autoria da Mesa Diretora, com o propósito de reduzir o salário dos vereadores que venham a ser eleitos na próxima legislatura, para um salário mínimo, ou seja (R$ 1.045,00). Mas que antes foram descartadas duas emendas, e votada uma única de autoria da vereadora Janete Aparecida que reduziu,e é fato consumado, o salário dos vereadores em 25%, já que até então o projeto em si, o EM-020/2020 será votado em uma nova reunião que será convocada pelo presidente da Câmara.

EM FRENTE A POPULAÇÃO

O projeto em si não foi votado por que estavam presentes no plenário apenas 5 vereadores. Como o quórum mínimo são 6 vereadores para que os trabalhos legislativos continuem. O presidente da Câmara, após convocar os vereadores para comparecessem ao plenário e como eles não voltaram decidiu encerrar a sessão. E o projeto não foi votado.

A emenda da vereadora Janete foi aprovada por 12 votos favoráveis e 3 contrários, com uma ausência, a do vereador Delano Santiago, que justificou estava doente por isso não compareceu.

Votaram a favor da emenda de 25% de redução dos salários, o vereador Nego do Buriti, Renato Ferreira, Ademir Silva, Marcos Vinicius, Eduardo Print Junior, Nonato, Adair Otaviano, Edsom Sousa, Janete Aparecida (autora da emenda), César Tarzam, José Luiz da Farmácia, Josafá Anderson.

Votaram contra a emenda, os vereadores Roger Viegas, Matheus Costa e Carlos Eduardo (suplente que assumiu vaga do sargento Elton)

O presidente da Câmara (Kaboja) só votaria se empatasse

E O QUE ACONTECEU NOS BASTIDORES

O Divinews ouviu três versões do que de fato aconteceu nos bastidores que antecederam a votação do projeto em si, e das respectivas emendas. Uma das versões foi da autora da emenda, a vereadora Janete Aparecida e a outra versão do vereador Roger Viegas e do vereador Renato Ferreira. Vamos aos fatos:

A versão da autora da emenda para o Divinews, a vereadora Janete Aparecida, foi que durante uma reunião que ocorreu nesta última quinta-feira (23), com quase todos os vereadores, o acordo formalizado entre eles, era que todos votariam favoravelmente à sua emenda de 25% de redução dos salários, atingindo a atual legislatura e também a próxima. E ela retiraria uma outra emenda também de sua autoria que seria uma redução de 50% do salário dos vereadores somente para a próxima legislatura.

Na ocasião, o vereador Roger Viegas não estava presente. Contudo, o vereador Matheus Costa disse que representava o Roger, e fechava o acordo com a vereadora nos 25% e que ambos votariam a emenda de sua autoria.

O novato vereador Carlos Magalhães, que até ontem não era vereador. Mas já tinha sua posição conhecida por todos de que não votaria a emenda de 25% e sim o do salário mínimo. Antes do início da reunião desta quinta-feira (23), Carlos reafirmou sua posição, de como votaria.

Ocorre que, segundo a vereadora Janete Aparecida em entrevista para o Divinews após a reunião, por telefone, os dois, Matheus e Roger, no entendimento dela, já que Matheus deu a palavra em nome do Roger, na hora da votação, “traíram” e não votaram favoravelmente à sua emenda como compromisso assumido.

O vereador Renato Ferreira, também ao Divinews confirmou a existência da reunião e os acordos que foram formalizados. Assim como também explicou, tal qual a vereadora Janete, que os vereadores se retiraram do plenário na hora da votação do projeto em si, em protesto contra o Presidente da Câmara, vereador Rodrigo Kaboja, por ele ter se negado a dar sobrestamento do projeto que o vereador Edsom Sousa tinha pedido.

“O presidente tem extrapolado em suas funções de magistrado da Câmara. Ele não pode tratar os vereadores como vem tratando. Não conversa com ninguém para tomar suas decisões. Ele ao invés de encerrar a reunião poderia ter suspendido, até que tivesse quórum, e teríamos encerrado essa votação hoje”, afirmou a vereador Janete Aparecida.

Ao Divinews o vereador Roger Viegas, disse que votou contra os 25% por que a sua proposta inicial era de 50% e que no passado ele quis implementar isso e nenhum vereador deu importância. E que sua posição era sabida pela vereadora autora da emenda.

FATOS OCULTOS

Sob a condição do anonimato para não se expor com os demais vereadores, um dos nobres edis, explicou para o Divinews, que a pausa solicitada durante a reunião foi para discutir de que forma o projeto que reduziria o salário deles ao valor do salário mínimo seria votado. Se todos os contrários se levantariam e os favoráveis permaneceriam de pé ou ao inverso. Ou ainda se seria nominal, declarando sim ou não. O objetivo era que eles não se expusessem demais contra o valor do salário mínimo. Pois avaliaram que após o voto dos dois vereadores que quebraram o pacto dos 25%, eles ficariam expostos demais, e seriam criticados nas redes sociais, que alguns estavam acompanhando e os participantes dos grupos de whatsapp já davam sinais de insatisfação com a votação.

Outro fator que pesou na votação foi a disputa interna partidária. Como exemplo os vereadores Carlos Magalhães e Roger Viegas. Se votam diferente, um poderia a partir de então ter mais visibilidade e cair nas graças das redes sociais do que o outro.

O fato é que, embora tenham dito em alto e bom som, é só ver os vídeos, alguns dos edis não comungaram o discurso com o voto, ficaram com medo das redes sociais.

O resumo da ópera é que houveram acordos de bastidores e traições na frente do povo. Jogaram e sempre jogam para a galera. E a galera cai.

7 comentários em “BASTIDORES: O que de fato provocou o encerramento da votação da redução dos salários dos vereadores de Divinópolis (veja vídeos)

  • 24 de abril de 2020 em 12:47
    Permalink

    E nem a mídia dá a notícia de forma imparcial nesta cidade, neste estado e no nosso pais! Aliás isto raramente acontece!

    Resposta
  • 24 de abril de 2020 em 09:21
    Permalink

    O ideal seria uma redução de 50%,este papo de um salário também é demagogia.

    Resposta
  • 23 de abril de 2020 em 22:16
    Permalink

    Demagogia dessa turma. Vamos trocar todos.

    Resposta
  • 23 de abril de 2020 em 19:38
    Permalink

    vergonha, PARABÉNS , MATHES, ROGER, CARLOS MAGALHAES, E CLARO O PRESIDENTE QUE NAO A REGOU,

    Resposta
    • 24 de abril de 2020 em 07:09
      Permalink

      Somente Roger,Matheus e Carlos merecem nosso respeito,o resto são oportunistas e só pensam no próprio bolso,são mercenários e já estão manchados para sempre na política de Divinópolis

      Resposta
  • 23 de abril de 2020 em 18:35
    Permalink

    Não entendi muito bem. Pra reduzir 25 % do salário os vereadores comparecem e votam. Depois pra reduzir pra 01 salário mínimo todo mundo some e não tem votação?

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!