Balanço da Defesa Civil de Minas Gerais aponta oficialmente 44 mortes; 13.887 desalojados e 3.354 desabrigados


O Boletim emitido às 17h35min pela Coordenadoria da Defesa Civil de Minas Gerais, apontou oficialmente que o Estado contabiliza 44 mortes, sendo que a maioria, ou seja, 14 ocorreu em Belo Horizonte; 6 em Betim; 5 em Ibirité; 3 em  Simonésia; 2 no Alto Caparaó; 3 no Alto Jequitibá; 1 em Carangola; 1 em Contagem; 1 em Divino; 2 em Luisburgo; 1 em Manhuaçu; 2 em Pedra Bonita; 1 em Santa Margarida e 1 em Tocantins

Existem 19 pessoas desaparecidas; e 12 pessoas feridas

São 13.887 desalojados, ou seja pessoas que saíram de suas residências, mas que dependendo da situação, ainda podem retornar; já os desabrigados, que são 3.354, não retornam mais.

A Defesa Civil estratificou os números da seguinte forma:

Desalojados na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), são 5.767; e no interior são 7.120

Desabrigados na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), são 850; e no interior são 2.504

Feridos na RMBH, são 6 e no interior também são 6

Mortes confirmadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, 26; no interior são 18 mortes.

No interior existem 19 pessoas desaparecidas; na Região Metropolitana de Belo Horizonte, nenhuma.

47 municípios estão em situação de emergência por decreto estadual. São eles: Belo Horizonte, Abre Campo, Alto Caparaó, Alto Jequitinhonha, Betim, Brumadinho, Caeté, Caparaó, Carangola, Cataguases, Congonhas, Contagem, Divino, Dores do Turvo, Ervália, Espera Feliz, Guidoval, Ibiaí, Ibirité, Luisburgo, Manhuaçu, Mariana, Matheus Leme, Matipó, Mojolos, Muriaé, Nova Lima Orizânia, Patrocínio de Muriaé, Pedra Bonita, Raposos, Raul Soares, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Sabará, Santa Bárbara, Santa Luzia, Santa Margarida, São Gonçalo do Sapucaí, Sarzedo, Senador Firmino, Simonésia, Taquaraçu de Minas, Teófilo Otoni, Tocantins, Ubá, e Visconde do Rio Branco.

10 cidades decretaram situação de emergência; Barão de Cocais, Bela Vista de Minas, Caratinga, Coimbra, Durandé, Mario Campos, Santana do Riacho, Santa Rita de Minas, São Gonçalo do Rio Abaixo, e Viçosa.

Apenas 3 cidades decretaram estado de calamidade pública. Catas Altas, Orizânia e Ibirité, sendo que as duas ultimas também estão inseridos do Decreto Estadual.

 

– Desalojado: Pessoa que foi obrigada a abandonar temporária ou definitivamente sua habitação, em função de evacuações preventivas, destruição ou avaria grave, decorrentes do desastre, e que, não necessariamente, carece de abrigo provido pelo Sistema.

– Desabrigado: Desalojado ou pessoa cuja habitação foi afetada por dano ou ameaça de dano e que necessita de abrigo provido pelo governo.

  • Estado de Calamidade Pública é uma situação anormal, provocada por desastres, causando danos e prejuízos que impliquem o comprometimento substancial da capacidade de resposta do poder público do ente atingido.

 

Um comentário em “Balanço da Defesa Civil de Minas Gerais aponta oficialmente 44 mortes; 13.887 desalojados e 3.354 desabrigados

  • 26 de janeiro de 2020 em 22:05
    Permalink

    Santo Antônio do Monte também decretou estado de emergência como foi publicado por está página e não consta nesta publicação agora.

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  66  =  71