Jaime Martins, diz que tirar Temer e substituí-lo por Maia, é trocar seis por cinco – Insinua, no popular, é trocar o sujo pelo muito mal lavado


O deputado federal Jaime Martins Filho, em uma longa entrevista coletiva na tarde desta última segunda-feira (07), em seu escritório no centro de Divinópolis, justificou por que razão votou “SIM”, favorável ao relatório do deputado tucano Paulo Abi-Ackel, que recomendava que a Câmara Federal não autorizasse o pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR), por seu procurador, Rodrigo Janot para investigar o presidente Michel Temer – Jaime começou explicando que muitas pessoas não entenderam ainda que a votação não era para cassar Temer de imediato, era sim uma autorização para que ele fosse investigado. E ainda que, no entendimento dele, se a investigação prosperasse, o substituto de Temer seria o presidente da Câmara Rodrigo Maia, que também está denunciado na Operação Lava Jato, tanto ele quanto o seu sogro, Moreira Franco e também o pai do presidente da Câmara, o ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia. 

O parlamentar levantou dúvidas quando a idoneidade, e a parcialidade de um possível julgamento de Temer no Supremo Tribunal Federal, afirmando que o STF é extremamente político, com várias correntes políticas/partidárias. E externou dúvidas sobre uma possível condenação de Temer, na mais alta corte do pais.

Jaime afirmou que na semana que antecedeu a votação conversou com muitas pessoas do seu grupo, e principalmente com os prefeitos, que externaram serem a favor da continuidade de Temer.

Pensa que o melhor é deixar que Temer seja julgado quando terminar o mandato dele, ele perde o foro privilegiado e passará a ser julgado por Sergio Moro.

Jaime diz que o Brasil não suporta mais a corrupção, e que é sabido que muitas dessas corrupções não é de agora, são de governos anteriores, remontando ao Governo Lula, Dilma e Fernando Henrique. “Ela é endêmica que precisa ser combatida”.

Contudo, o parlamentar afirmou existir razões secundárias e que consultou 53 prefeitos e todos foram unanimes em dizer que não suportam mais ter queda de receita e que se isso ocorrer não conseguiriam honrar as folhas de pagamento dos municípios. E citou alguns nomes dos prefeitos que foram ouvidos, como o de Divinópolis (Galileu), de Nova Serrana (Euzebio) e outros da região, que chegaram a se manifestar por escrito. “Nenhum elogiaram o Temer – Ruim com o Temer, mas vamos passar uma mudança muito pior agora se houver um presidente que tiver que fazer mudança ministerial, mais insegurança. Pois estamos vivendo algumas tímidas demonstrações de recuperação da econômica – Tivemos a primeira deflação em anos, ela foi realmente debelada. Estamos voltando a ter um crescimento de empregos, de investimentos. Tivemos o maior saldo da balança comercial dos últimos onze anos. Portando existem alguns indicadores, de que a economia está se recuperando. Quando existe a crise econômica, os prefeitos, os empresários e as autoridades, todos sofrem. Mas que sofre mais é o povo. Ele paga a crise com o emprego, com a renda familiar”

Enfim, o deputado Jaime Martins credita a sua votação “S” ao caos que poderia existir no aspecto econômico. Porém faz também uma ressalva de que, se o Temer fosse cassado, seria uma situação transitória, já que ele inicialmente ficaria afastado por 180 dias, até que o Supremo julgasse. Neste aspecto o parlamentar levantou suspeitas da lisura do julgamento, dizendo que “aqueles ministros vão inocentá-los, e se isso ocorrer ele não poderá mais ser julgado por instâncias inferiores. “Por que uma vez sendo julgado pela Corte mais alta, ele está imune, não existe nível recurso para que ele possa ir para a mão de Moro ou para a Justiça Federal de primeiro grau. Portanto ele estaria imune, se fosse liberado pelo Supremo e é provável que isso ocorreria”

Jaime Martins levanta sua desconfiança já consolidada entre os brasileiros ao falar das decisões do ministro Gilmar Mendes: “Quando vemos o ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE, o ministro Marco Aurélio devolvendo o mandato para o senador Aécio Neves, e todas as prerrogativas para reassumir o exercício do seu mandato. Vocês não vão acreditar que Lewandowski, Alexandre Morais, o ministro indicado para o STF que era o ministro da Justiça de Temer, ex-companheiro. Não acredito que Alexandre Morais vá condená-lo, nem Gilmar Mendes, nem Lewandowski, nem Marco Aurélio. Acho que com isso a Nação ia passar por um trauma muito grande, como passamos no julgamento do TSE aqui”.

Quantos as supostas compras dos parlamentares através da liberação de emendas, Jaiminho explicou que a liberação de emendas é obrigatória, e que existe uma emenda na Constituição que um percentual das emendas apresentadas pelos deputados tem que ser pagas obrigatoriamente. Ainda segundo o parlamentar, o governo só pode contingenciar um determinado limite do que ele contingenciar nos seus gastos. O deputado disse que os maiores beneficiários de emendas parlamentares foram da oposição, os três primeiros senadores da lista, e citou o senador petista Lindberg Faria. “O assunto foi colocado para a imprensa, e a Globo tomou a frente disso. Imagina vocês que pela primeira vez na história, o Jornal Nacional não foi levado ao ar, por que transmitiu ao vivo a programação da TV Câmara. Isso por que a TV Globo está em um embate direto com o presidente Temer”

O deputado confirmou, o que não é novidade para quem acompanha a política nacional, através de meios que não seja a Globo, como os sites de esquerda, e mesmo a TV Record que já falou sobre o caso. “ A TV Globo é a maior devedora do BNDS (Banco Nacional de Desenvolvimento Social),  por empréstimos similares ao que Joesley Batista recebia, e diante da crise do BNDS, as fiscalizações que estão sendo realizadas, das propostas de CPI (Comissão Parlamentar de Inquerito). Eu mesmo estou propondo uma CPI da JBS, especificamente, pois existem pontos muitos obscuros na delação de Joesley, que precisam ser esclarecidas. Uma delas é a declaração de Joesley que se revelou como um bandido contumaz. Esse homem não poderia sair pela porta da frente, sem ter nenhum tipo de penalização. Saiu sem tornozeleira eletrônica, sem cumprir um dia de prisão. Foi uma delação hiper premiada e sobre ela recai muitas suspeitas. Reputo como verdadeira a questão da mala e o presidente tem que responder por esse mal feitos”

Jaime, mais uma vez volta suas críticas para o STF ao dizer explicar que ao contrário do que muitos imaginam ser ministro do Supremo não é o ápice da magistratura, pois são cargos indicados pelo Presidente da República, o que é exigido é o “Notório Saber”, que ele diz ser subjetivo, já que uma pessoa pode ter uma interpretação e outra, outro entendimento sobre “Notório Saber”. O deputado contou que vai apresentar um Projeto para que os ministros do Supremo passem a ser eleitos e não indicados do presidente da República. Diz ainda que o julgamento de Temer no SRF seria um julgamento entre amigos.

Sobre os ministros do STF, Jaime encerrou dizendo que existe uma estratégia dos presidentes da República de escolherem os ministros mais jovens, e citou o caso de Gilmar Mendes que foi escolhido ainda no Governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, e que ele tem notórias ligações com o PSDB, e nunca escondeu sua posição, de que é partidário. E que não é esse o perfil de um ministro do Supremo que o país precisa. “O Brasil precisa de pessoas mais comprometidas com a sociedade, do que com partidos políticos. Dai eu estou propondo que a escolhas desses ministros passassem pelo crivo dos juízes, dos tribunais superiores”.

Jaime negou que tivesse encontrado com o Presidente Temer, na mesma manhã da votação, como noticiou o portal de notícia G1. Segundo o deputado:  “Eu havia solicitado uma agenda com o Presidente Temer, sessenta dias antes, para tratar de dois temas de interesse de Minas Gerais, um deles, é a Lei Kandir. Mas o presidente teve viagens internacionais e não pode me atender. Então ele marcou uma agenda comigo as 17 horas, da véspera da votação, eu agradeci e disse que não poderia ir, que eventualmente poderíamos conversar no futuro. Então ele marcou para as 11h30min do dia da votação. Se eu não podia na véspera, no dia muito menos. Eu disse a ele que não estava disponível, que não se tratava de nenhuma desfeita com o Presidente da República. Mas não é momento oportuno de conversarmos, ainda que seja um assunto inteiramente diferente, mas na imaginação popular vai ser com relação a votação – Vários parlamentares que estiveram com ele no dia da votação, votaram contra – Portanto, não me encontrei com o presidente, na véspera e nem no dia, embora chegou a ser anunciada na agenda oficial, mas não achei que era oportuno, dentro do conceito que não basta ser honesto, tem que parecer ser honesto também”

O parlamentar também respondeu à pergunta do editor do Divinews, se diante da sua votação, ele não tem receio das urnas em 2018. Jaime afirmou ter preocupação com os eleitores, se eu for candidato. Contudo, você tem que trabalhar com o que você acha que é o melhor para o país naquele momento – Existe o efeito manada. O próprio PT fez uma pregação bastante forte nas mídias sociais. E as mídias sociais não existe nada de inocente. A capa da Revista Veja desta semana, fala sobre a guerrilha que existe nas mídias sociais. Os partidos políticos, as empresas. Os interesses comerciais, econômicos e políticos. Descobriram que a mídia social está substituindo a mídia tradicionais, as tevês, os jornais. A mídia social hoje é tão importante como a Globo para formação de opinião pública. Só que menos atenta, por que quando você ouve um jornalista da Globo, ele está assinando, tem a cara dele, portanto tem uma responsabilidade editorial. Qualquer órgão de imprensa pode ter sua preferência, jornalista pode ter o seu ponto de vista pessoal, ter suas escolhas que é natural. Mas a mídia social vem anônima. Ela é produzida, as vezes em estúdio profissional, e tem pessoas atualmente que ganham bastante dinheiro fazendo esse trabalho. Mas ele chega até você, através de parentes, colegas de trabalho, que vem sendo reproduzido na mídia. E quando chega para você de um amigo próximo, a primeira coisa que você faz é acreditar. “Isso deve ser verdade que veio de fulano”, só que ninguém verifica se aquilo é verdade”

O parlamentar alertou que de verdade, o PT e os outros partidos de esquerda de fato não querem a saída de Temer, faz um jogo de cena, para desgastar a imagem do presidente para dar força ao “Volta Lula” em 2018. Jaime disse também que não existe a menor viabilidade técnica que o TSE consiga realizar uma eleição antes de 2018, ou seja, duas eleições, uma agora, se Temer cair, e outra no ano que vem, em outubro.

 

CONTINUA…. (EM ANDAMENTO….)

 

EM CONSEQUÊNCIA DO PERÍODO ELEITORAL OS COMENTÁRIOS ESTÃO SUSPENSOS

PODCAST: escuta essa!!