SINTRAM questiona argumento da Prefeitura de Divinópolis ao nomear 23 cargos, sendo 16 servidores de carreira; “é necessário de fato, é técnico?


Provocado pelo Divinews, através de uma pergunta, o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e região (SINTRAM), através de sua presidente, Luciana Santos, ao responder o site sobre as 23 nomeações publicadas no Diário Oficial da última segunda-feira (08), em que a Prefeitura através da Diretoria de Comunicação criou um aspecto positivo para as 23 nomeações, amenizando na manchete que “Prefeitura valoriza servidor e reconduz 16 funcionários de carreira”. O Sintram em Nota Resposta, sobre o assunto afirmou que, é curioso que a administração justifique as nomeações argumentado que valoriza o trabalho e que as mesmas são para atender pedido dos secretários das pastas, que esperam desde janeiro as nomeações técnicas. Tal afirmação deixa em xeque os critérios para escolher tais cargos, se as nomeações agora estão sendo feitas por necessidade técnica, as demais foram para atender qual necessidade?” questionou o sindicato. E finalizou o parágrafo, dizendo que “O sindicato e toda população espera que a Prefeitura mude a postura e verifique a necessidade de todos os cargos comissionados e reduza ao máximo, conforme o atual cenário exige” – Lembrou ainda, que o Prefeito Galileu, na época da campanha, foi o único candidato que não quis assumir o “Termo de Compromisso” que 75% dos cargos fossem ocupados por servidores, já que o índice de ocupação de tais cargos é bem abaixo do pleito do sindicato.

Veja na íntegra a resposta do sindicato à pergunta do Divinews

A atual conjuntura econômica do estado pede aos gestores o enxugamento das contas públicas e Divinópolis não pode ser diferente, inclusive porque um decreto de calamidade financeira vigora no município.  Neste sentido, o Sintram vem cobrando da gestão Galileu esse enxugamento da máquina para que direitos básicos e constitucionais dos servidores municipais sejam devidamente cumpridos: pagamento em dia e revisão salarial.

1º) Pagamento em dia – A categoria no final do ano passado teve que conviver com atrasos e parcelamentos de salários, inclusive cerca de 500 servidores ainda não tiveram o 13º salário integralmente quitado.

2º) A revisão salarial – Todo o trabalhador tem, anualmente, seu salário corrigido para preservação de seu poder de compra, no entanto, isso não vem ocorrendo no funcionalismo municipal. De 2016 até a presente data, os servidores já acumulam perdas de 8.13%%, ou seja, um verdadeiro achatamento salarial. Especificamente, no governo Galileu são 3,83% de perda, já que em 2017 o gatilho não foi integralmente cumprido pelo prefeito. Neste ano, a revisão salarial é de 4,59%, conforme determina a Lei Municipal 8.083 e deveria ser paga nos salários a partir de março e não foi.

A respeito das últimas 23 nomeações da segunda-feira (08/04) que a Prefeitura afirma que valoriza o servidor e reconduz 16 servidores de carreira a seus cargos, o Sintram reafirma que sempre lutou pela valorização dos profissionais de carreira. Inclusive em 2016, em debate promovido pelo Sintram com os candidatos a prefeito, a diretora apresentou “Termo de Compromisso” e um dos pontos pleiteados foi que 75% dos cargos comissionados fossem ocupados por servidores de carreira. Na época, Galileu foi um dos que se recusou a assinar o termo.  No entanto, é curioso que administração justifica as nomeações argumentando que valoriza o trabalhador e que as mesmas são para atender pedido dos secretários das pastas, que esperam desde janeiro as nomeações técnicas. Tal afirmação deixa em xeque os critérios para escolher tais cargos, se as nomeações agora estão sendo feitas por necessidade técnica, as demais foram para atender qual necessidade?  Por isso, o Sindicato e toda população espera que a Prefeitura mude a postura e verifique a necessidade de todos os cargos comissionados e reduza ao máximo, conforme o atual cenário exige.

 

 

Um comentário em “SINTRAM questiona argumento da Prefeitura de Divinópolis ao nomear 23 cargos, sendo 16 servidores de carreira; “é necessário de fato, é técnico?

  • 11 de abril de 2019 em 16:27
    Permalink

    Galileu faz o que bem quer, não tem lei para Ele, e quem não gostar, chore na cama que é um lugar quente.

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

COMENTÁRIO SEM IDENTIFICAÇÃO DO FACEBOOK