Greve nas universidades: Professores e servidores públicos devem responder proposta do Governo Federal até a próxima segunda-feira(27)

Publicado por: Lorena Moura

Apesar da última proposta apresentada pelo governo, professores de 53 universidades e institutos federais, bem como técnicos-administrativos de 66 instituições de ensino em todo o país, continuam em greve. As categorias consideram que a oferta feita na última semana não prevê nenhum aumento em 2024 e não atende às demandas de recomposição do orçamento para a educação, reajuste para aposentados e reestruturação de carreira. Nesta semana, professores e servidores administrativos voltam a se reunir em assembleias para dar uma resposta ao governo até a próxima segunda-feira, 27 de maio.

Na quarta-feira, o Ministério da Gestão e Inovação apresentou a última proposta, que prevê reajustes diferentes para cada nível de professores. Por exemplo, os que ganham menos teriam um aumento de 31% até o fim do governo Lula, enquanto os que recebem mais teriam uma recomposição de até 13,3% também até 2026. No entanto, os professores avaliam que isso só foca nas promoções e progressões.

Continua depois da publicidade

A greve dos servidores e dos professores já dura mais de um mês. Os docentes pararam em 15 de abril e os técnicos-administrativos em 11 de março. Gustavo Seferian, presidente da Andes, o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, afirma que a proposta ainda está aquém do que foi apresentado pela categoria.

Os técnicos-administrativos estão programando uma caravana em Brasília, na terça e na quarta-feira. Ivanilda Reis, coordenadora-geral da Fasubra, a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-administrativos, diz que ainda não houve uma sinalização do governo sobre as demandas da categoria.

Em abril, o governo fechou acordo com 11 categorias, focando no reajuste de 52% no auxílio-alimentação, aumento do auxílio-saúde e do auxílio-creche. No entanto, professores, servidores de instituições e de órgãos ambientais não aceitaram e continuam insistindo no reajuste salarial.

Fonte: CNB

Entre no grupo do Whatsapp do Divinews e fique por dentro de tudo o que acontece em Divinópolis e região

comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos felizes por você ter escolhido deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de privacidade.

  1. Aluizio bezerra da silva disse:

    Por que um deputado estadual ganha R$ 100.000,00 por mês, um deputado federal ganha R$ 300.000,00 por mês e nois servidores TAE/I.Fes não temos direito a reajuste no salario? Somos menos eficientes em nossos afazeres? Coitados de nois.+×÷=%

Continua depois da publicidade