Senador eleito por Minas Gerais, Cleitinho estreia na política nacional compartilhando fake News; é chamado de “lixo humano” e corre risco de perder vaga


Até poucos dias atrás Cleitinho Azevedo (PSC) não era conhecido por boa parte dos brasileiros. Apesar da alta popularidade na internet, que o fez ser chamado até de “tik toker”. O trabalho de Cleitinho na política era de conhecimento apenas dos mineiros. No último domingo, quando foi eleito para o Senado por Minas Gerais, ele atraiu a atenção de todo o país, mas já estreou na política nacional “queimando seu filme”. Cletinho compartilhou fake news, foi chamado de lixo humano e comparado a um cachorro que só faz sujeira. E já há, inclusive, grupos pedindo que o STF impeça que o divinopolitano assuma a cadeira no Senado.

Cleitinho parece mesmo disposto a fazer tudo para ganhar a simpatia e a confiança de Bolsonaro, que disputa o 2º turno na corrida pela Presidência da República. Ao invés de “sossegar” com a votação expressiva que teve, já estando eleito para o Senado, Cleitinho preferiu assumir o papel de protagonismo como defensor ferrenho de Bolsonaro, comprando briga com Lula e colocando em risco até o mandato recém conquistado, e sequer empossado. Cleitinho sinaliza quer se tornar o maior aliado de Bolsonaro no Senado e em Minas Gerais, mas já começa a manchar não apenas sua imagem, mas à reboque a da cidade. “aquele senador de Divinópolis”.

Na guerra com discurso religioso que se formou na internet, após o término do 1º turno, milhares de bolsonaristas passaram a compartilhar vídeo insinuando que Lula seria satanista. O que foi imediatamente desmentido e dado como “fake news”. O rapaz que aparece nas gravações é um influencer chamado Vick Vanilla, que se apresenta como “sacerdote de uma igreja luciferiana”. Só no TikTok Vick tem quase 1 milhão de seguidores. Após a repercussão do vídeo espalhado pelos bolsonaristas, o influencer imediatamente se pronunciou e gravou um outro vídeo afirmando não apoiar Lula e contando, inclusive, que está recebendo ameaças de grupos ligados a Bolsonaro. Vanilla diz que o conteúdo foi tirado do contexto, distorcendo o que ele falou para tentar associar Lula ao satanismo. “O vídeo está sendo espalhado como uma fake news tanto a meu respeito quanto a respeito do candidato Lula, que não tem qualquer ligação com a nossa casa espiritual”, declarou.

Mesmo com essa confirmação, Cleitinho compartilhou o material com seus seguidores, ignorou a legislação e o risco que corre ao fazer coisas do tipo. O Supremo Tribunal Federal prometeu punição exemplar a candidatos e políticos eleitos que compartilhassem mentiras durante a campanha eleitoral. O ministro Alexandre de Morais chegou a falar em cassar o mandato de quem fizesse isso.

Após a atitude irresponsável de Cleitinho, uma avalanche de críticas à postura dele se formou e várias pessoas pedem que o STF cumpra a promessa de agir contra esse tipo de crime, pedindo que Cleitinho seja impedido de assumir a cadeira no Senado. Cleitinho parece não entender (ou ignorar) o risco que corre ao disseminar notícias falsas simplesmente para agradar Bolsonaro.

Cleitinho costumava ser um crítico ferrenho de Jair Bolsonaro, mas desde a campanha, de olho nos votos dos bolsonaristas, a estratégia dele foi se aproximar de Bolsonaro e defende-lo com “unhas e dentes”. A análise que se faz, nos bastidores, é que Cleitinho já mira em ter o apoio da ala bolsonarista para se candidatar a outros cargos daqui a 4 ou 8 anos (quando termina o mandato como Senador). Ele quer “lacrar” com Bolsonaro, sair na frente dos demais eleitos e virar o maior aliado do presidente, que pode ou não ser eleito no 2º turno. Um plano bastante arriscado.

Agora que está inserido na política nacional, o plano parece ser fazer no Brasil o que o tornou conhecido em Divinópolis e em seguida em Minas Gerais. Cleitinho quer ganhar a imagem populista, com o discurso sempre exaltado e a promessa de moralizar a política e criticar tudo e qualquer coisa que ele discorde. E, neste momento, o alvo principal tem sido Lula, rival de Bolsonaro. A receita funcionou quando ele se elegeu vereador, também deu certo na candidatura como Deputado Estadual e quando concorreu ao Senado. Mas agora, como representante de Minas Gerais em uma das mais altas instâncias políticas, será que vai funcionar?

Se Lula vencer o 2º turno e Cleitinho se manter fiel ao discurso, podemos esperar que ele será um dos maiores críticos do presidente. Será o palanque ideal para os vídeos que ele tanto gosta de gravar para atrair cliques. Em Brasília, ele vai fazer com Lula o que fez com a Copasa, em Minas Gerais. Mas se Bolsonaro vencer, de onde virá o palanque que ele precisa para continuar nos holofotes? Sem um rival no poder, Cleitinho vai precisar conseguir outro alvo para se manter útil ao presidente. Podemos imaginar que uma opção de Cleitinho seria se juntar a Bolsonaro para metralhar o STF, já tão criticado pelo atual presidente em outros momentos.

Baseado nas opiniões que invadiram a internet de domingo pra cá podemos ver que Cleitinho não fez uma boa estreia na política nacional. Quem não o conhecia e ficou curioso em saber mais sobre o senador eleito por Minas Gerais encontrou a imagem que nós já conhecíamos: um político que demonstra pouco conhecimento e tenta compensar isso com um discurso populista para tentar se aproximar do povo. E que adora esbravejar em vídeos caricatos na internet. Certamente uma postura diferente da esperada de um Senador da República.

Em um vídeo curioso que está circulando na internet, um internauta compara Cleitinho a um ‘pinscher’. Diz que ele é do tipo que só faz barulho e só faz sujeita. Diante da fake news compartilhada por Cleitinho que tenta ligar Lula ao satanismo, o eleitor questiona o que Cleitinho fez de útil para a política, a não ser gritar e disseminar mentiras. O internauta ainda questiona o porquê de Cleitinho não ter a mesma postura crítica em relação à CPI da Educação que apontou desvio milionário na prefeitura de Divinópolis, comandada pelo irmão dele, Gleidson Azevedo. “Eu não lembro de ver um vídeo dele falando da suspeita de desvio de mais de R$ 8 milhões na prefeitura de Divinópolis, onde o irmão dele é prefeito”, comenta o rapaz.

Se escapar da punição prometida pelo STF a políticos que fazem o que ele fez, Cleitinho vai assumir o Senado com várias responsabilidades. O Senado revê projetos de lei, faz sabatina a postulantes a tribunais superiores e fiscaliza os gastos do governo federal. É uma instância que exige extremo preparo dos ocupantes, e onde Bolsonaro precisa de aliados capazes de fazer articulações. Se não mudar sua postura, será que Cleitinho continuará a ser útil a Bolsonaro?

Também estamos curiosos para saber algumas cenas dos próximos capítulos. Na reta final da campanha, Cleitinho traiu Carlos Viana, que concorria ao Governo de Minas e, supostamente, era aliado de Cleitinho, que o apunhalou pelas costas e pediu votos para Romeu Zema. Cleitinho vai encontrar Carlos Viana no senado, já que Viana é um dos senadores de Minas Gerais. Como será a relação entre eles?

Na busca pelo protagonismo político e fazendo de tudo para ganhar a imagem de principal aliado de Bolsonaro, Cleitinho vai encontrar figurões já conhecidos e experientes. E também novatos mais populares, como Nikolas Ferreira, queridinho de Bolsonaro e eleito Deputado Federal com a maior votação em Minas Gerais. Os dois vão disputar a preferência de Bolsonaro e Cleitinho pode se surpreender ao descobrir que não é o número 1 do presidente. Isso se Bolsonaro for eleito, já que se Lula vencer, Cleitinho vai precisar conviver com o fato do poder estar nas mãos de alguém que ele chegou a chamar de satanista.

Também temos que lembrar que para conseguir o importante apoio de Romeu Zema, governador de Minas reeleito em 1º turno, Bolsonaro certamente precisou fazer promessas e ficou devendo alguns favores a Zema. E um dos pedidos pode ser, inclusive, um posto de destaque a Marcelo Aro, muito querido por Zema, e que disputou a eleição para o Senado com Cleitinho, de quem acabou se tornando inimigo. Cleitinho vai precisar aprender o que ainda não conseguiu até hoje, a ser político, ter capacidade de se relacionar até com quem discorda de suas opiniões e ações. Ou corre, o sério risco, de acabar descartado por Bolsonaro. E perder a chance de aproveitar a projeção ao cenário político nacional para valorizar o nome de Divinópolis, e não transformar a cidade e seu mandato em motivo para ainda mais críticas.

 

13 comentários em “Senador eleito por Minas Gerais, Cleitinho estreia na política nacional compartilhando fake News; é chamado de “lixo humano” e corre risco de perder vaga

  • 10 de outubro de 2022 em 13:55
    Permalink

    O que esperar da cidade do status, como se diz nas escolinhas daqui “você está sendo deselegante”, pena que não vamos ver essa turma cair lindamente, são bichos safos.

    Resposta
  • 9 de outubro de 2022 em 09:05
    Permalink

    Precisamos respeitar os mais de 4 milhões de eleitores que votaram no Cleitinho.
    O autor da matéria tendeciosa não foi capaz de assinar o texto, como é praxe em toda publicação jornalística.

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 22:02
    Permalink

    Impressionate!!!!! Perder o cargo????????

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 16:07
    Permalink

    verdade mesmo a respeito do Lula é só a entrevista do Marcos Valério a veja, o que já é um absurdo como este sujeitinho chamado lula é candidato

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 13:12
    Permalink

    Ninguém está acima da lei! Se a justiça for feita, esse sujeito não merece assumir o cargo. Tolerância zero contra os criminosos!

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 11:56
    Permalink

    Não é possível esse jornal fazer uma matéria assim…..
    Impressionante como fazem para diminuir quando não gostam das pessoas!

    Respeitem o ser humano, respeitem o Cleitinho, ele teve 41,65% de votos ou seja 4.2033.348.

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 11:31
    Permalink

    Divinópolis pagando o pato, o mico e tudo mais 🤮🤮🥴🥴

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 10:32
    Permalink

    Geraldo está desesperado e não aceita o Cleiton no Senado, só resta fazer matérias tendenciosas. Aceita que dói menos editor.

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 09:39
    Permalink

    kkkkkk, e a tentativa de cancelamento continua né Geraldo, aquilo não foi fake news, realmente o cara é do capeta e falou aquilo tudo que esta no vídeo!

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 09:11
    Permalink

    É muita inveja desse editor viu. Isso mata

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 08:22
    Permalink

    Se o tal “Vick” não é apoiador do Lula usando a camisa do partido quem será que é então hein???!!! Será que a família Azevedo nunca vai deixar de ser sua prioridade? Tanta coisa acontecendo na cidades e vc só fala neles.

    Resposta
  • 6 de outubro de 2022 em 05:17
    Permalink

    Este lixo humano nem em igreja vai.
    Ele é o satanás em pessoa

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3  +  3  =