Prefeito de Divinópolis estaria tentando trocar a rejeição do relatório final da CPI da Educação por cargos a indicados de vereadores


Segundo informações de fontes de dentro da própria Câmara, o prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo estaria tentando negociar com certos vereadores que seja rejeitado  o relatório final da CPI da Educação, que deverá apontar a responsabilização de alguns servidores mais diretamente ligados às adesões das atas de registros de preços para a compra de materiais e brinquedos, como exemplo os plays balls, e que os valores foram superfaturados, além de outras irregularidades dentro do processo de aquisição. Em troca da rejeição, dizem as fontes, deverão ser ofertados alguns cargos para pessoas ligadas aos vereadores que votarem contrário à aprovação do relatório final – É preciso ficar atento às publicações do Diário Oficial dos Municípios Mineiros.

O Sistema MPA, recentemente publicou uma matéria, de autoria do jornalista investigativo Evandro Araújo, denunciando que uma das empresas fornecedoras da Secretaria de Educação de Divinópolis, a ATC ao responder os questionamentos por ele feito enfatizou que os preços praticados nas atas das empresas que ele está ligado estariam condizentes com os valores de mercado. No documento o representante da empresa também disse que está disponível para prestar esclarecimentos, mas não teria sido procurada pela CPI.

Ainda, segundo o jornalista, Anderson Teixeira é o empresário que está diretamente ligado a cinco atas de preços públicos aderidas pelo município de Divinópolis. A Coincidência reforça os indícios de cartel na compra feita pela Secretaria Municipal de Educação no mês de dezembro de 2021.

A matéria publicada pelo MPA segue dizendo que, praticamente, metade dos 30 milhões de reais foi gasta nessa compra. E em meio a milhares de possibilidades, a Prefeitura de Divinópolis decidiu aderir, coincidentemente, às atas do Consórcio Intermunicipal dos Municípios Mineiros da Sudene, com sede em Montes Claros. Cada licitação foi vencida por uma empresa diferente, DFG, Edutec e Consórcio HC.

Segue o jornalista em sua investigação: “A Edutec, também vencedora da licitação da Sudene à qual a Prefeitura de Divinópolis aderiu, também é uma empresa formada por outras empresas, mas com os mesmos donos. Aqui aparecem como sócios Anderson Teixeira, da ATC, e Diógines Nogueira Vignoli, da Hawai 2010. Agora o Consórcio HC, que é uma empresa formada por um consórcio de outras empresas. Adivinhe só quais as empresas compõem o Consórcio HC, que vendeu 10.582.060,00 reais para a Prefeitura de Divinópolis? Acertou quem disse Anderson Teixeira, da ATC, Diógines Nogueira Vignoli, da Hawai 2010, e André Stoinski, da Polibox”.

O fato é que, no próximo dia 24 deste mês, o relatório final será lido em plenário. E os vereadores terão 10 dias para fazerem qualquer tipo de manifestação. Para posteriormente o relatório ir a plenário para ser votado.

 

7 comentários em “Prefeito de Divinópolis estaria tentando trocar a rejeição do relatório final da CPI da Educação por cargos a indicados de vereadores

  • 13 de agosto de 2022 em 15:48
    Permalink

    Que vergonha paladino da moralidade fazendo barganha,se vc nao deve deixa cpi correr se vc tem as maos limpas nao se preocupe

    Resposta
  • 13 de agosto de 2022 em 10:21
    Permalink

    Não podemos aceitar bandidagem tem que ser punido, CPI tem que ser séria agir conforme a Lei

    Resposta
  • 13 de agosto de 2022 em 09:39
    Permalink

    Imprensa Podre!!! Acho q este jornal não tem reportes tem urubus… Que no final de tudo aproveita da parte boa que o prefeito faz…. Eu acho q estes repórteres e a diretoria desta mídia lixo … Deveriam morar em outra cidade ou planeta onde o prefeito fosse perfeito o q recebam benefícios de dinheiro público!!!! Tudo um bando de abutre!!!

    Resposta
  • 12 de agosto de 2022 em 18:36
    Permalink

    Kkkkk vamos ficar de olho desses vereadores pode se esperar todo tipo de negociata ABAIXO OS AZEVEDOS

    Resposta
  • 12 de agosto de 2022 em 13:32
    Permalink

    Sim, Isso é verdade. Um movimento de vereadores no gabinete incrível. Foi até uma sugestão do líder do governo que o prefeito monte uma base de apoio e ofereça cargos. Kaboja também tem influenciado muito nesse sentido, além de Flávio Marra (que por sinal já tem uma parente nomeada na assessoria comunitária, Dayana Andrade, mas a mesma está em desvio de função. Ah, é comadre do prefeito também) rodyson, entre outros

    Resposta
    • 12 de agosto de 2022 em 22:23
      Permalink

      Também fiquei sabendo esta semana que um vereador que foi comissionado do Galileu, já virou casaca e conseguiu alguns carguinhos lá na Prefeitura pra rejeitar o relatório

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3  +  3  =