Por Laiz Soares: Uma carta para juventude


O número de jovens de 16 e 17 anos que solicitaram o primeiro título de eleitor é menor do que 15%. Esta percentagem é preocupante e poderia indicar uma falta de interesse da juventude nos problemas da sociedade. Mas este não é o caso!

Ao mesmo tempo que vemos a queda na participação de adolescentes na eleição, também encontramos uma juventude ativa, que está em coletivos, programas sociais e querem participar da mudança na nossa sociedade.

Como esta geração marcada pelo desejo de mudança é a mesma que se vê sem esperança nas eleições? Nos comentários nas redes sociais e em conversas com jovens tenho escutado questionamentos sobre a importância do voto. Vejo diversos adolescentes duvidando de que o seu voto faça a diferença, e principalmente vejo jovens que não se sentem representados pela política brasileira.

Para os jovens que não se sentem representados, digo que já estive no lugar de vocês. Durante toda minha infância e adolescência eu sentia necessidade de mudança e queria fazer parte dela. Via as desigualdades que nos cercam e ansiava por uma transformação. Mesmo com essa vontade, não me via na política justamente por não enxergar pessoas como eu nela.

Como uma  mulher, de uma família simples que estudou toda vida em escola pública, a política nunca pareceu um lugar que eu poderia ocupar.  Todo meu interesse nela e meus conhecimentos não pareciam o suficiente. Mas se queremos uma mudança, não é nas eleições que devemos começar?

Quando votamos estamos mostrando a nossa voz! É no voto que garantimos cada vez mais uma sociedade verdadeiramente democrática, onde somos representados por nossos governantes. Ainda hoje, como mulher,  em um Congresso com 53 cadeiras em Minas,  apenas 3 deputados federais são mulheres, sendo que nosso estado conta com 11 milhões de mulheres. O número de negros também não condiz com nossa realidade, em um país onde a maior parte da população é negra  (pessoas pretas e pardas), em 2020 apenas 32% dos prefeitos eleitos foram pessoas negras, segundo TSE.

Com o seu voto mais mulheres, jovens, negros e pessoas indigenas podem ocupar o espaço de poder que ainda hoje é majoritariamente ocupado pelos mesmos homens.

O seu voto é importante! O voto é a melhor forma de garantirmos um futuro melhor para nosso país! A partir dele cumprimos o nosso papel como cidadãos. É a sua possibilidade de ir pra faculdade, realizar seus sonhos e ter um bom emprego que está em jogo.

Através dos investimentos e das políticas públicas que serão realizadas pelos governantes o seu futuro será influenciado. Por isso, não deixe de tirar o título de eleitor até o dia 4 de maio. O voto é um de nossos direitos mais importantes e precisamos honrar com esta responsabilidade.

3 comentários em “Por Laiz Soares: Uma carta para juventude

  • 13 de abril de 2022 em 10:10
    Permalink

    Isso é o sinal de que no BRASIL e na politica a população esta perdendo a cada ano a confiança e respeito.
    Num pais onde somos obrigados a votar e depois o STF, REPRESENTANTE do povo absolve e elege um ladrão apenas para jogar o xadrez para tirar o atual presidente?
    Os jovens podem ser inocentes, sem experiencia mais não são bobos ainda mais com o acesso que temos as informações.
    E infelizmente no atual sistema eleitoral brasileiro nos meros eleitores , donos de votos que podem mudar o Brasil, somos fantoches deste sistema eleitoral e do STF.
    Não mandamos em nada simples assim, o executivo, judiciário e legislativo.

    Na Constituição brasileira de 1988, o Princípio da Separação dos Poderes encontra-se positivado no art. 2º, sob o título dos princípios fundamentais, e constitui uma das quatro cláusulas pétreas do ordenamento jurídico brasileiro. Nela está determinado que “são Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

    Após a tão sonhada e respeitada constituição, nunca foi visto tantas vezes repetidas o poder JUDICIÁRIO interferir e mandar com mão de ferro nos outros poderes.

    Resposta
  • 13 de abril de 2022 em 06:46
    Permalink

    Jovens de coletivos e programas sociais tipo MST, já começam a mamassão nos governos desde pequenos! Digo aos jovens, trabalhem, estudem, não se deixem enganar por coletivos , tirem suas próprias conclusões e tenham suas próprias convicções! *Espero que publique meu comentário.

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  86  =  88