Organização Mundial da Saúde declara nova cepa da covid-19, “ômicron”, como variante de preocupação


A Organização Mundial da Saúde declarou a nova variante do vírus da Covid-19, a cepa B.1.1 259, como uma “variante preocupante”, após análise do Grupo Técnico Consultivo sobre a Evolução do Vírus SARS-CoV-2 realizada nesta sexta-feira, 26. A variante, detectada pela primeira vez na África e já presente em ao menos três continentes, foi nomeada “ômicron” pela OMS. De acordo com o grupo consultivo, a cepa Omicron foi reportada pela África do Sul à OMS no última dia 24, e sua primeiro infecção conhecida data de uma amostra coletada em 9 de novembro.

Em comunicado, o órgão multilateral destaca que a variante possui um grande número de mutações, “algumas das quais preocupantes”, e apresentou alta risco de reinfecção em comparação com outras variantes classificadas como preocupantes, segundo evidências preliminares.

Segundo a OMS, o surgimento da Omicron coincide com um momento de alta abrupta nos casos de covid-19 na África do Sul, e testes PCR realizados no país indicam uma maior capacidade de disseminação da cepa. Por isso, a entidade recomenda que os países aprimorem a vigilância sobre novos casos, emitem novas informações sobre a variante a uma base de dados pública e promovam estudos sobre a cepa, em nações onde há capacidade de investigação clínica.

Fonte: Estadão e O Tempo

Um comentário em “Organização Mundial da Saúde declara nova cepa da covid-19, “ômicron”, como variante de preocupação

  • 27 de novembro de 2021 em 10:39
    Permalink

    Mais em Divinopolis, nos temos a super , mega Janete, com seus poderosos vacinadores e demais profissionais da vigilância. Pois como ela, Allan e prefeito deixaram claro, realizando um big festa em agradecimento a este seleto grupo. Nos estamos garantidos.

    Os demais servidores da linha de frente, que relamente arriscaram suas vidas. Cuidando diretamente dos infectados, realizando coleta de material ou avaliando este material. Ou seja todos os 3nvolvidos nos cuidados com os doentes somos só figurantes, sem representatividade na pandemia.

    Estamos a dois anos praticamente, realizando nossas atividades sem redução da carga horária, trabalhando em feriados, sábados e domingo. As vezes a noite. Que não ficamos em.hone office . Não somos nada

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  76  =  77