Zema, em Nota, faz comparação do Estado com trabalhador endividado para dizer que Minas faliu


Em Nota de Esclarecimento, para justificar os atrasos nos repasses para os municípios e dos salários dos servidores, assim como o 13 salário de 2018, parcelado em suaves prestações, o Governo de Minas, administrado por Romeu Zema,  comparou a situação financeira do Estado com a de um trabalhador totalmente endividado, que apesar de ter um salário de “apenas” R$ 4,6 mil reais, que no mundo real foge totalmente a realidade da maioria dos brasileiros, ele tem um custo fixo com pagamentos de água, luz, aluguel, condomínio entre outras contas, e que já venceram, no valor total de R$ 24 mil reais, mas não foram pagas, e para complicar mais ainda tem dívidas com bancos de R$ 114 mil reais – A Nota foi emitida na última sexta-feira (22) no mesmo dia em que os servidores da área de segurança pública fizeram uma manifestação para reivindicar outras demandas de caráter salarial.  

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 Minas Gerais passa pela pior crise financeira de sua história e é dos 26 estados brasileiros e o Distrito Federal, disparado, o ente federativo mais endividado. O déficit somente do ano passado superou os R$ 11 bilhões, ou seja, as despesas foram maiores do que as receitas neste patamar em 2018.

 Para 2019, o rombo previsto na lei orçamentária formulada pelo governo passado está neste mesmo nível de endividamento. Além disso, os restos a pagar, do período entre 2015 e 2017, são de cerca de R$ 13,2 bilhões.

 Só destes dois itens (restos a pagar + déficit do último exercício) somam mais de R$ 24 bilhões de dívidas com fornecedores, décimo-terceiro de 2018 com os servidores e repasses aos municípios retidos, entre outros. Além de tudo isso, há dividas com a União e outros credores que ultrapassam os R$ 114 bilhões.

 Enquanto isso, a Receita Corrente Líquida é de cerca de R$ 55 bilhões por ano, ou seja, aproximadamente R$ 4,6 bilhões, por mês.

 Fazendo a comparação com as contas de uma família, o Estado de Minas é como se fosse um trabalhador que recebe salário mensal de R$ 4,6 mil. Possui contas de água, luz, aluguel, condomínio, etc., que já venceram e não foram pagas no montante de R$ 24 mil. E ainda possui uma dívida com bancos de R$ 114 mil e contando juros sobre os juros…

Diante deste panorama, o Governo de Minas Gerais trabalha para reequilibrar suas contas, com o objetivo de reduzir despesas, com urgência, para haver a retomada da capacidade de pagamento dos compromissos do Estado.

 Com pouco mais de 50 dias à frente do Estado, o governador Romeu Zema tem buscado todas as alternativas para quitar o quanto antes o décimo-terceiro não pago no ano passado pelo governo anterior. Mas os resultados desse esforço não serão realizados de um dia para o outro.

 

Está prevista para a tarde desta sexta-feira (22), manifestação de alguns servidores públicos da área de segurança para reivindicar outras demandas de caráter salarial.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, está aberto ao diálogo para apresentar com transparência a verdadeira situação financeira do Estado, já abordada nesta nota de esclarecimento. E, principalmente, o que está sendo feito para sanar as contas em aberto com servidores, prefeitos e fornecedores.

 “É fato notório que o Estado de Minas Gerais está falido. Mas temos concentrado todos os esforços, eu e minha equipe de governo, para que tão logo haja disponibilidade em caixa, fazer todos os pagamentos devidos, prioritariamente, para todos os servidores estaduais”, disse o governador.

 

8 comentários em “Zema, em Nota, faz comparação do Estado com trabalhador endividado para dizer que Minas faliu

  • 24 de fevereiro de 2019 em 20:04
    Permalink

    Esse governador fala que o Estado de Minas Gerais está falido, e assim não tem condições de pagar o servidor público do executivo em dia, sem parcelamento e ainda dividiu, sem juros, o décimo terceiro salário do servidor público estadual também do executivo em 11 parcelas. Mas para os servidores do judiciário e legislativo o Estado de Minas Gerais tem dinheiro, paga em dia, não parcela nada. Quem realmente executa o serviço não recebe seus direitos. Era para estar ruim para todos, ou não?

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 19:38
    Permalink

    Coloca um PDV AI governador eu saio na hora só mi indenizar os meus 39 anos .. aí viu procurar empresa privada.. Que paga. Em dia

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 19:35
    Permalink

    GOSTARIA de dar uma sugestão para o governador … mostra para a empresa o saldo ou extrato da conta do estado pra nós para que possamos acreditar … outra sugestão.. sobre o 13. Salario a maioria dos servidores ganha até 1500.00 reais porque não quita de uma fez mata 50 da folha e os que ganham acima disso divide de três x pronto todos vai endenter e coloca a primeira chamada do mês que vem para todo dia 20… agora se não consegui cumprir .. podemos optar abre para o estado um PDV.PEDIDO DE DEMISSAO VOLUNTARIO MUITOS VAO ADERIR. AI PELO MENOS FAMOS BUSCAR EMPRESAS QUE PAGAM EM DIA.

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 18:37
    Permalink

    e a culpa dessa tragedia so tem um culpado PSDB como cabeca AECIO NEVES

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 18:05
    Permalink

    Esse governo não tem é vergonha na cara, ele falou na campanha dele quando candidato, que resolveria a situação dos servidores no primeiro mês de seu governo. Pura enganação né seu Zema. Olha a situação dos bombeiros, dos PMs, dos agentes penitenciários dentro das falidas Sistema prisional, os professores que nos proporcionou a educação, o nosso futuro etc… Talvez o Zema quer dividir o parcelamento dos salários dos servidores no boleto também igual suas lojas. Volta Anastásia e coloca Minas nos trilhos

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 18:04
    Permalink

    Esse governo não tem é vergonha na cara, ele falou na campanha dele quando candidato, que resolveria a situação dos servidores no primeiro mês de seu governo. Pura enganação né seu Zema. Olha a situação dos bombeiros, dos PMs, dos agentes penitenciários dentro das falidas Sistema prisional, os professores que nos proporcionou a educação, o nosso futuro etc… Talvez o Zema quer dividir o parcelamento dos salários dos servidores no boleto também igual suas lojas. Volta Anastásia e coloca Minas nos trilhos

    Resposta
  • 24 de fevereiro de 2019 em 17:45
    Permalink

    Posso até concordar com a falência do Estado devido a má gestão dos governos passados.Só não acho justo professores do estado da ed.básica e demais servidores que ganham um salário que não chega nem de longe ao exemplo que ELE governador deu na materia ,possa ficar recebendo em parcelas e com todas as contas pra pagar nos vencimentos e ainda outros compromissos indispensáveis. Gostaria de saber se eles os governantes e todos os outros da Cúpula do governo também estão recebendo em parcelas a perder de vista cujos SALÁRIOS SÃO ALTOS….

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!