ACONTECEU: Advogado em depoimento à CPI da COPASA na Câmara de Divinópolis levanta suspeita de morte e doenças por poluição da água


Em sua oitiva para a Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI que investiga a COPASA no município de Divinópolis, o advogado Eduardo Augusto, presidente da Comissão de Direitos do Consumidor, da AACO – Associação dos Advogados do Centro-Oeste de Minas, levantou a suspeita que algumas pessoas possam ter até morrido em consequência do consumo da água poluída, logo após a crise de desabastecimento que ocorreu no início do mês de outubro, quando a água de dezenas de bairros saia amarelada e com um forte odor das torneiras de milhares de residências. Ainda conforme o advogado, existem pessoas que estão em estado vegetativo – Eduardo Augusto, fez severas críticas ao contrato que o município fez com a empresa de saneamento, por não existir clausula que prevê o seu rompimento. “Trata-se de um contrato leonino que beneficia a Copasa e penaliza o município. Com esse contrato a empresa de saneamento não perde nada, o prejuízo é só do município que terá que continuar pagando se o contrato for rompido” – O advogado da AACO afirmou taxativamente que a falta de licenciamento da Copasa, é por ela cometer crime ambiental, e ainda que a empresa infringe o contrato é por saber que o município não tem nenhuma condição de assumir o seu lugar. Finaliza dizendo ter quase certeza que no final de 2018, prazo estipulado para a entrega das obras da ETE, ela não conseguirá honrar a promessa.

 

 

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  38  =  43