Vacina da Jansen terá segunda dose, segundo Ministério da Saúde; Divinópolis tem 6.053 pessoas


O Ministério da Saúde mudou a orientação sobre a vacina contra a Covid fabricada pela Janssen. O imunizante, que vinha sendo usado em dose única, agora passará para o regime de duas aplicações, como já acontece com as injeções da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac. As pessoas com 18 anos ou mais que tomaram esse imunizante também receberão a dose de reforço após cinco meses do esquema primário completo. Em Divinópolis, segundo o vacinômetro municipal, das 352.399 doses aplicadas, 6.053 pessoas receberam a imunização até então única, com a vacina da farmacêutica estadunidense. 

O anúncio foi feito em entrevista coletiva do Ministério da Saúde nesta terça-feira (16), quando a pasta informou que a dose de reforço contra Covid estava liberada para toda a população adulta do país.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, as pessoas que completarem o esquema vacinal primário de duas doses da Janssen poderão tomar a dose de reforço, preferencialmente de outro imunizante.

“No início, a recomendação é que fosse de dose única. Hoje nós sabemos que é necessário essa proteção adicional. As pessoas que tomaram a vacina da Janssen irão tomar a segunda dose do mesmo imunizante. Como nós já temos quantitativo, não será um esforço muito grande”, disse.

“Lá na frente, completou cinco meses da segunda dose, [a pessoa] receberá a segunda dose preferencialmente com uma vacina diferente”, completou.

A Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, declarou que uma segunda dose de sua vacina contra Covid-19, aplicada cerca de dois meses depois da primeira, aumentou a eficácia para 94% nos Estados Unidos contra formas moderadas ou graves da doença.

A proteção com uma dose única da vacina, que é usada em diversos países, inclusive no Brasil, é de 70%

A farmacêutica acrescentou que a segunda dose aumentou os níveis de anticorpos de quatro a seis vezes. Quando dada seis meses depois da primeira, os níveis de anticorpos aumentaram 12 vezes.

Na entrevista coletiva desta terça, Queiroga defendeu a amplicação da dose de reforço como medida para “evitar o que tem acontecido na Europa”. A Alemanha, por exemplo, cogita voltar ao regime de home office, enquanto a Holanda se tornou na sexta-feira (12) o primeiro país da Europa Ocidental a retomar medidas mais rígidas de isolamento social por causa da Covid.

Fonte: Folha de São Paulo

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

41  −  37  =  

PODCAST: escuta essa!!