SEM LIMITES: Gleidson Azevedo telefona para Pedro Paulo, conselheiro do CODEMA, e o desanca por ele ter pedido vista no processo do Mart Minas


Na última quinta-feira (29), após a realização da Reunião Ordinária do Conselho Municipal de Defesa e Conservação do Meio Ambiente – CODEMA, o prefeito de Divinópolis, Gleidson Azevedo, a exemplo do que tinha feito anteriormente com três diretores da Secretaria do Meio Ambiente (veja matéria) para que dessem celeridade a aprovação das licenças ambientais do supermercado Mart Minas, desta vez virou sua metralhadora em direção ao conselheiro Pedro Paulo Pozzolini (OAB), por ele durante a reunião, na análise técnica do projeto, que é prerrogativa de qualquer membro do Conselho, pedido vista na concessão da LP (Licenciamento Prévio)  e LI (Licenciamento de Instalação) do Mart Minas – Segundo fonte (já que um segredo quando é contado para mais de um interlocutor a possibilidade de vazar é enorme) o prefeito teria tido que esses órgãos são “umas porcarias para atrapalhar o desenvolvimento da cidade, esse Codema é um atraso de vida, e que o conselheiro era politiqueiro” – Pedro Paulo, segunda a fonte, não gostou nem um pouco de ouvir tamanho disparate, e após tentar conversar de forma civilizada com Gleidson, já que ele não parava de esbravejar, não teve outro jeito, senão encerra a conversa de forma abrupta, desligando o telefone.

O Divinews procurou o Pedro Paulo para saber sua versão sobre os fatos, porém, ele afirmou que tem por princípio não comentar sobre processos de licenciamento que pede vista, Mas que para o conhecimento do Divinews, até a próxima quarta-feira (05) ou quinta-feira (06) vai apresentar o seu relatório de vista.

Disse ainda em resposta ao Divinews que a próxima reunião ordinária é no final de maio, que não se lembrava exatamente a data. Contudo, o presidente do CODEMA, que é o secretário da pasta de Meio Ambiente, Ezequiel Cilas, se entender ser necessário pode convocar uma reunião extraordinária.

10 comentários em “SEM LIMITES: Gleidson Azevedo telefona para Pedro Paulo, conselheiro do CODEMA, e o desanca por ele ter pedido vista no processo do Mart Minas

  • 4 de maio de 2021 em 21:23
    Permalink

    Aos que estão defendendo o prefeito, busquem ele se tiverem uma situação dessa!!!

    Na mesma reunião, o CODEMA impediu a demolição do galpão de uma empresa local que havia sido construído em APP.

    Permitiu a instalação de um condomínio de interesse popular que o Ministério Público havia embargado!

    PERGUNTA SE O PREFEITO SE COMOVEU?

    Por acaso se mobilizou??

    Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 17:03
    Permalink

    Por atitudes com esta, e outras, de quem deveria dar o exemplo, é que Divinópolis perdeu toda credibilidade.
    O conselheiro do CODEMA está no seu direito quando pediu vista ao processo e o empresariado precisa entender que no peito e no grito ninguém leva nada.
    Querem fazer um empreendimento, ótimo para a cidade e para eles também.
    Então cumpram as regras, notifiquem a Prefeitura dos seus objetivos e da suas necessidades, façam o requerimento das licenças necessárias e pronto, tudo fica certo.
    O que não é correto é querer levar tudo no grito.
    Em todas as cidades existem regras, não é só em Divinópolis.
    E este negócio de que aqui é difícil, ali é fácil, não é verdade: papo de quem quer tirar vantagem em tudo.
    .

    Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 13:58
    Permalink

    Um atraso mesmo para o desenvolvimento de Divinópolis. Enquanto o Mart Minas não consegue inaugurar sua loja em Divinópolis, que vem tentando há mais ou menos dois anos, já foram inauguradas mais de 20 lojas em outras cidades gerando emprego. No local funcionava uma siderúrgica e nunca foi paralisada por nenhum órgão ambiental. Difícil acreditar que uma construção traga mais prejuízos ao meio ambiente do que uma siderúrgica. Estamos falando de no mínimo 50 empregos diretos fora os empregos indiretos. É realmente uma pena.
    Serve de reflexão. Porque Divinópolis perde tantas empresas? Porque as empresas preverem ir para Nova Serrana, Carmo do Cajuru ou outras cidades?
    Uma boa matéria Geraldo Passos, se for levada a sério e realizar uma boa pesquisa, que acredito ser função do jornalista.

    Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 11:19
    Permalink

    Se está difícil até para empresas daqui instalarem aqui na nossa Sucupira , imagina uma empresa de fora.
    Daqui a pouco a nossa cidade vai ser só mato mesmo , se continuar com essa política .
    Esse supermercado começou aqui , já espalhou vários pelo estado ( Lavras , Barbacena, Itaúna, Uberaba , Pará de Minas entre outras ) só aqui que tem esses problemas , deveria é colocar esse pessoal que cria problemas para empresas instalarem aqui , gerar algum emprego na cidade e desenvolvimento pra nossa cidade.
    Enquanto isso outras cidades desenvolvem ( Varginha , Pouso Alegre, Uberaba até Nova Serrana ) e Divinópolis vai ficando para trás , por causa dessas mente atrasadas, que domina a cidade.
    Daqui a pouco Divinópolis vai virar uma Ribeirão das Neves , ou seja , cidade dormitório.

    Resposta
    • 5 de maio de 2021 em 09:13
      Permalink

      As cidades que você citou possuem políticos espertos, que trabalham em bloco,sem fazer alarde, e que e possuem leis e regras, igualzinho aqui.
      Nada de ser mais fácil ou mais difícil ou de ” pode para um não pode para outro”.
      Tudo dentro da lei, seja lei federal, estadual ou municipal.
      Já morei em várias destas cidades e posso afirmar isto com certeza.
      O problema em Divinópolis são pessoas despreparadas nos cargos de comando e a falta de políticos com visão.
      Não existe planejamento nem a curto prazo no âmbito municipal. E isto não é de hoje não.
      Sem políticos hábeis e articulação política não se consegue investimentos em lugar nenhum do Brasil. E sem acesso a informações privilegiadas os investimentos vão embora mesmo.
      Vide os casos de Varginha e Pouso Alegre, que além da localização privilegiadas, tem infraestrutura pronta para receber empresas. ( Sete Lagoas e as demais também ).
      Políticos do Sul de Minas trabalham principalmente pelo Sul de Minas.
      Com prefeitos como o atual, e os últimos seis ou sete, uma Câmara Municipal destas e empresários que só pensam no próprio interesse a cidade vai acabar mesmo, como já está.
      É lamentável mas é verdade: Divinópolis virou terra de especuladores, o negócio aqui é comprar lote vago e deixar lá para a Prefeitura limpar e fazer benfeitorias nas ruas.

      Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 11:18
    Permalink

    Eu concordo plenamente com o prefeito, ele infelizmente não esta errado não. O único defeito que ele tem é ser direto e objetivo, fala na lata e isso magoa muitas pessoas.
    Eu gostaria de ver quem é a favor do CODEMA fazer um investimento em Divinópolis e sentir na pele a burrocracia que é.
    Já que são tão favoráveis ao meio ambiente? porque não realizam visitas técnicas nas siderúrgicas da nossa tão querida cidade?
    venha de surpresa na siderúrgica que fica no Bairro Icaraí, a FERGUSUL que nem filtro utiliza, polui na maior cara de pau e é possível ver a olho nu as partículas circulando não vento, outro exemplo a Siderbras.
    Por qual motivo elas fazem o que querem? simplesmente porque é um caixa eletrônico para os órgãos de fiscalização, quando precisam de grana mete uma multinha.
    Neste caso o que é pior acabar com uma lagoa de rejeitos ou acabar com o ar limpo em vários bairros da cidade.
    Fica a uma pergunta ou duvida no ar.

    Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 10:49
    Permalink

    Me desulpe esse pessoal o prefeito GLEIDSON esta coberto de razao….poe esses caras pra correr…so sabem atrapalhar a vida de quem quer gerar emprego na cidade alem do mais o MARTMINAS é nosso DIVINOPOLIS

    Resposta
  • 4 de maio de 2021 em 09:49
    Permalink

    Para quem veio com discurso de moralidade da coisa pública, está esquisita a atitude do prefeito Gleidson Azevedo. Para qualquer empreendimento que venha se instalar em Divinópolis ou em qualquer cidade que tenha órgãos ambientais municipais, como o Codema, é necessário que passe pelo crivo destes órgãos,.ou seja, deve passar pelos tramites legais. O problema e que há uma mistica em Divinópolis e não importa quem esteja no poder que ao conquista-lo se transforma e cai no mesmo vício dos prefeitos anteriores que o de pensar no desenvolvimento da cidade sem pensar na forma de como este desenvolvimento vai se dar. Sendo assim , segue-se a lógica do desenvolvimento a qualquer custo e sempre as questões ambientais ficam para planos que vão além do secundário. A boiada não pode passar sem que a porteira seja aberta de forma a permite a lisura na passagem do gado. Gerar empregos é importante, mas isso não pode ser sempre usado como questão mais importante do que a qualidade do meio ambiente de Divinópolis que ao que tudo indica continuará na mesma de sempre, no descaso total.

    Resposta
    • 5 de maio de 2021 em 09:26
      Permalink

      Concordo com seu comentário.
      Empresários com visão são os primeiros a dar o exemplo.
      Não chegam passando o trator e fazendo a obra sem as devidas licenças.
      Em lugar nenhum é assim. E eu já morei em muitas cidades do porte de Divinópolis, e maiores, por isto posso falar.
      A questão aqui é a falta de pessoas capacitadas e comprometidas em ambos os lados.
      É associar o bom senso com o interesse econômico, nada mais que isto.

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PODCAST: escuta essa!!