Prefeito de SAMONTE recorre a Alexandre Kalil (Prefeito de BH) para evitar desemprego no município


O prefeito de Santo Antônio do Monte, Dinho do Braz se reuniu na manhã desta última terça-feira (11), com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, para discutir um Projeto de Lei que proibia a fabricação, comercialização, manuseio, utilização, queima e soltura de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos de efeito sonoro na capital mineira – O projeto de lei de autoria do vereador de Belo Horizonte, Osvaldo Lopes (PHS), chegou a ser aprovado em primeiro turno, no dia 1° de agosto, e seguiu para votação em segundo turno. Porém, conforme Dinho do Braz, após o pedido feito, para que Kalil intervisse, e a proposta não fosse sancionada, o prefeito de Belo Horizonte entrou em contato com o autor do projeto de lei que se comprometeu a retirá-lo da tramitação na Câmara de BH.

“Nesta crise não podemos fechar fábrica e nem lojas de fogos, este projeto vai ser retirado amanhã”, disse Kalil.

O prefeito de Samonte, destacou a importância da indústria de fogos para a cidade e região, e agradeceu o empenho de Alexandre Kalil.

“Mais de 10 mil empregos, diretos e indiretos, que a indústria de fogos de Samonte gera, estavam ameaçados. Se esse projeto fosse sancionado afetaria diretamente não só Santo Antônio do Monte, mas cidades vizinhas, como Lagoa da Prata, Japaraíba, Moema, Pedra do Indaiá, e Itapecerica. O Márcio Alaor articulou este encontro, e o prefeito de Belo Horizonte entendeu a nossa situação, e nos atendeu prontamente”, destaca Dinho.

Participaram do encontro o vice-prefeito de Samonte, Luís Resende, representantes do Sindicato das Indústrias de Explosivos de Minas Gerais (Sindiemg), do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Fogos (Sindifogos), o ex-presidente do Clube Atlético Mineiro, Ricardo Guimarães, e Márcio Alaor, que articulou a reunião com o prefeito de Belo Horizonte.

 

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.