Na “OPERAÇÃO THANATOS” deflagrada pelo MPMG e a PCMG, cinco pessoas do Serviço Municipal de Luto de Divinópolis foram presas


Na operação Thanatos deflagrada pela Polícia Civil de Minas Gerais, com o delegado Leonardo Pio à frente, e o Ministério Público, através da Promotoria do Patrimônio Público de Divinópolis, sob o comando do promotor de Justiça Gilberto Osório Resende, além da Delegada Adriene Lopes, culminou com a prisão de cinco pessoas, todas eles lotadas no Serviço Municipal do Luto envolvidas nos mais diversos crimes de corrupção – Na operação foram cumpridas ainda 26 medidas cautelares e  21 mandados de busca – Foram presos: Cintia Ferreira Ribeiro, de 47 anos (atendente de balcão); Laércio Rodrigues da Silva, 38 anos, (serviços gerais), Marcos Antônio de Oliveira Rezende, 60 anos (agente funerário); Maria Heloisa Nogueira Silva, 60 anos, (agente administrativo); Matheus Henrique Paixão de Freitas, 35 anos, (agente funerário).

O Delgado Regional Leonardo Pio, explicou que os familiares dos servidores auxiliavam para operacionalizar a cobrança das propinas, institucionalizando a corrupção.

Leonardo Pio, pediu ainda a colaboração da imprensa para identificar outras pessoas vítimas que foram vítimas da quadrilha. E que tais vítimas ainda podem ajuizar ações contra os acusados pedindo ressarcimento.

 

O esquema criminoso

Os agentes funerários recebiam propina de várias formas, vendiam produtos de empresas particulares ao invés de venderem os produtos existentes no serviço municipal do luto, como exemplo ofereciam flores de duas floriculturas, entre elas a Flora Laily.

O Delgado Regional Leonardo Pio, explicou que os familiares dos servidores auxiliavam para operacionalizar a cobrança das propinas, institucionalizando a corrupção.

Tanto o promotor de Justiça Gilberto Osório e o Delegado Regional, Leonardo Pio, deixaram claro que até as investigações não envolvem a atual administração, e ainda que inclusive foi feito um pedido pelo atual prefeito que investigasse a situação.

O nome da operação “Thanatus”, segundo o Promotor, refere-se ao estado de morte. E que o crime consistira em “prestigiar”, uma determinada empresa que trabalha no segmento de floricultura, que faz coroa, flores que preparam os corpos para a realização de velório. O favorecimento era executado mediante o pagamento de propina da floricultura para os funcionários do serviço municipal de luto.

Ainda conforme o promotor, o mais grave, é que pessoas que obrigatoriamente procuravam o serviço municipal de luto, que tem uma tabela de preço menor do que as empresas privadas, é que naquele momento de dor, de vulnerabilidade da perda de um ente querido, a pessoas ainda eram exploradas financeiramente, que naquele momento de dor, não faz conta, ela quer é resolver aquela situação, aquele momento de dor.

“Então ela procurava a floricultura indicada e neste momento a floricultura oferecia o serviço a um custo maior, a pessoa pagava e o servidor indicante, ou seja aquele que encaminhou a pessoa para a floricultura recebia uma comissão, uma propina, uma comissão oriunda de comissão, e que era anotado em um caderno, que foi apreendido na operação de busca e apreensão deflagrada hoje, com autorização do juiz da 2ª Vara Criminal, que com sua sensatez autorizou todas as medidas cautelares, Dr. Mauro Riouji Yamane deferiu todas as medidas cautelares, e isso contribuiu sobremaneira para o êxito das investigações, que continuam”, explicou Gilberto Osório.

 

4 comentários em “Na “OPERAÇÃO THANATOS” deflagrada pelo MPMG e a PCMG, cinco pessoas do Serviço Municipal de Luto de Divinópolis foram presas

  • 3 de março de 2018 em 16:47
    Permalink

    Itaúna precisa urgentemente da criação do serviço municipal de luto. Onde já se viu, uma cidade com quase 100.000 habitantes e apenas uma funerária para atender o município? Na falta do serviço municipal é preciso que o ministério público investigue a verdadeira Máfia instalada em nossa cidade.

    Resposta
  • 3 de março de 2018 em 14:15
    Permalink

    Geraldo, Laercio eh funcionario da floricultura.

    Resposta
  • 2 de março de 2018 em 21:08
    Permalink

    Falta agora descobrirem o esquema de compra e notas de mudas para fins de compensação ambiental que ocorreu a epoca no setor de parques e jardins na administração passada.

    Resposta
    • 3 de março de 2018 em 01:26
      Permalink

      Gostariamos de saber sobre isso. Muito nos interessa pode entrar em contato com o Whatsapp 9 99265523 ( Geraldo Passos )

      Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.