Força-tarefa encerra atividades de sexta clínica de recuperação em Divinópolis


Força-tarefa liderada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) de Divinópolis, com participação da Secretaria Anti-Drogas, do Conselho Tutelar, do Conselho Municipal Antidrogas e da Polícia Militar fechou a sexta clínica de recuperação de dependentes químicos em Divinópolis. Desde agosto, foram fiscalizadas oito comunidades terapêuticas, e seis com irregularidades tiveram suas atividades encerradas.

Fiscais da Diretoria de Vigilância em Saúde fecharam a comunidade terapêutica com sete internos, seis homens e uma mulher nas proximidades do aeroporto. Um dos internos era menor. Conforme o relatório dos fiscais, a comunidade terapêutica estava com ausência de responsável técnico, não tinha licença sanitária, e a medicação estava inadequada, além de relatos de maus-tratos e internação involuntária.

Com nome diferente, a clínica funcionava no mesmo local do fechamento da primeira interdição da força-tarefa. Em agosto, os fiscais encerraram as atividades deste espaço, onde funcionava o atendimento somente para o público feminino.  Em agosto, os fiscais da Vigilância visitaram a clínica feminina com oito internas e confirmaram que nenhuma residia em Divinópolis.

Duas menores de idade foram encontradas na comunidade terapêutica. Uma delas estava grávida sem consulta pré-natal, e outra estava na unidade internada mantida por outro município. A Vigilância em Saúde também encontrou uma paciente da saúde mental que estava em crise e sem assistência de psiquiatra no momento. 

5 comentários em “Força-tarefa encerra atividades de sexta clínica de recuperação em Divinópolis

  • 19 de dezembro de 2017 em 12:16
    Permalink

    Estas clinicas em sua maioria só querem o dinheiro das familias desesperadas.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2017 em 12:16
    Permalink

    Por que não prendem os proprietários e o Coordenador Geral dessa clínica?
    Não adianta os órgãos competentes irem lá, fazem a vistoria, constatam as irregularidades, fecham a clínica; os proprietários abrem em outro local, com outro nome e fica por isso mesmo.
    Tem que prender os proprietários e os funcionários envolvidos.
    Pra eles, abrir clínica está muito fácil, só ir lá, alugar o espaço, fazer uma boa propaganda da clínica e esperar os internos chegarem.
    A reportagem diz que a clínica está com outro nome. Porque não falam o nome da clínica? Será que os proprietários pagaram ao Divinews para não divulgarem o nome da clínica? Dever ter sido né, já que um dos proprietários é Diretor de Esportes do clube Estrela do Oeste Clube. Os proprietários também devem ter dado uma bela grana pra Vigilância Sanitária para poder abrir sem documentação. Porque nunca vi, a Vigilância liberar algum local para exercer as atividades, ainda mais se tratando de Clínica de Recuperação.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2017 em 09:28
    Permalink

    Os donos se escondem dos funcionários, nao fazem o pagamento direito e quando o fazem, faz faltando parte do pagamento. Nao querem saber se o funcionário tem contas pra pagar, se tem família pra sustentar. Nao estão nem aí pro funcionário. Só pensam neles. Um dos proprietários, que eu sei, é Diretor de Esportes do Estela do Oeste. A dona, que é esposa dele, nao tem formação acadêmica nenhuma. Sei de casos que não estão relatados na reportagem. A meu ver, pelos maus tratos que acontece lá, os donos juntamente com o Coordenador geral, deveriam ser presos.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2017 em 09:16
    Permalink

    Porque não prendem os dinos por essa clínica? Não adianta o MP e o Conselho Tutelar irem lá, vistoriam, encontram irregularidades, vão lá e fecham o local. Ai os donos vão abrem em outro lugar e fica por isso mesmo. Tem é que prender os donos e os funcionários envolvidos. Abrir clínica de recuperação tá fácil demais. Só ir lá, alugar o espaço, fazer uma boa propaganda da clinica e pronto, esperar os internos chegarem.
    A reportagem diz que a clínica está com outro nome. O nome série Comunidade Terapêutica Caminho da Luz Ser Livre?
    Porque se for, os donos de lá tem as costas quentes. Conseguem abrir clínicas sem documentação e fica por isso mesmo, a Vigilância Sanitária de Divinópolis deve ta levando um por fora.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2017 em 08:09
    Permalink

    A pergunta eh pq que vcs nunca colocam.o nome desses acougues? Seria na protecao de poderosos e seus podres poderes. Esse tipo.de “clinica” rende dinheiro a rodo. Chei de pastores … e a do levir alguem ja foi la naquela pocilga mentirosa? Eh preciso transparencia poderes e suas politicas podres.

    Resposta

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.