Secretaria de Saúde (SEMUSA) presta contas sem exibir números; vereador acusa secretário e vice-prefeito de afundar a saúde em Divinópolis


O vereador Delano Santiago, crítico ácido da atuação do secretário de Saúde, Rogério Barbieri e do vice-prefeito Rinaldo Valério, criticou veementemente a prestação de contas que foi realizada na Câmara, ocasião em que apenas exibiu relatórios, mas sem um único número, que pudesse demonstrar com exatidão a situação a situação financeira da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis (SEMUSA). Conforme o edil, os técnicos que fizeram a prestação de contas não sabiam responder nada. Citou como exemplo que não sabiam os gastos com combustível, não sabiam também qual foi o gasto total do quadrimestre, além de não saber o valor da folha de pagamento dos servidores comissionados e dos de carreira. Ainda segundo o vereador eles só apresentaram projeções, que “vão ajudar Divinópolis, no futuro. Mas o que eles vieram fazer na Câmara é apresentar uma prestação de contas de dinheiro que já foi gasto no quadrimestre passado. Isso eles não fizeram”, lamentou o edil

A seguir o vereador teceu diretas críticas ao vice-prefeito, Rinaldo Valério, o qualificando de fato como o secretário de saúde, por ocasião de sua visita ao vice-governador Antônio Andrade, quando ele foi acompanhado por Lourdes Lopes e Helena Mourão, que não pertencem aos quadros da administração municipal.

Delano criticou também a ausência dos dois gestores da pasta, tanto Rinaldo, quanto Rogério Barbiere. Que poderiam ter solicitado um adiamento da prestação de contas, tendo em vista a morte que ocorreu na família de um dos dois. Na avaliação do edil, eles não deram e não dão importância a prestação de contas.

O vereador avalia que não existe gestão na saúde, por isso o endividamento do setor. E citou um outro exemplo de quanto custa um paciente que vai no posto de saúde fazer um simples curativo. “Eles não têm esse custo”. E acrescentou “eles não sabem nem quanto é devido para eles. Inicialmente o secretário falou que o Estado devia R$ 40 milhões, depois virou R$ 12 milhões e agora virou R$ 125 mil”

O edil avalia que o Hospital Público Regional em virtude das eleições do ano que vem, ele irá abrir. “Ele está prestes a abrir, nem que seja a portaria eles vão abrir, que assim que funciona o Brasil, e de onde vai sair o dinheiro? – Essa falta de gerenciamento fez o município falir quatro postos de saúde. Rinaldo e Rogério Barbieri conseguiram fazer o que a gestão do Vladimir com todos os problemas não fez, muito pelo contrário abriu quatro postos para o atendimento da dengue, e o vice-prefeito e o secretário, fechara – Conseguiram em quatro meses atrasar o CISVI, tem dois meses que eles não pagam as parcelas. Conseguiram atrasar o pagamento do SAMU, em dois meses – Essa Casa aprovou até o momento R$ 12 milhões de verba de mudança de rublica, e pior na prestação de contas, eles não sabiam dizer para onde foi esse dinheiro. E tem mais R$ 10 milhões que serão destinado ao Hospital São João de Deus”

Finalizando Delano Santiago afirmou que em 9 meses de gestão, o secretário de saúde e o vice-prefeito, conseguiram fechar 4 postos de saúde, atrasar o pagamento do CISVI em 2 meses, e o SAMU 3 meses. E afundar a saúde de Divinópolis. “Sempre fazendo fotos históricas, sentado ao lado do vice-Governador e o que foi decidido ali, cadê o Dinheiro”

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.