AÇODAMENTOS: UPA não fecha na sexta, garante Delegado do CRM; Vereadores não são recebidos por Governador


A precipitada reunião convocada pelo secretário de Saúde de Divinópolis, Rogério Barbiere, realizada na manhã da última terça-feira (03), e que foi publicizada pelo presidente da Comissão de Saúde da Câmara, Renato Ferreira durante seu pronunciamento na sessão ordinária do Legislativo, além de gerar uma comoção social, por que afetaria diretamente a sensível área da saúde, já que foi anunciado o fechamento da UPA – Unidade de Pronto Atendimento Padre Roberto. Criou também cenas pastelões, quando um grupo de vereadores, com mais exatidão, 10 edis,  ocupando quatro carros da Câmara, preocupados com as consequências do eminente fechamento da unidade de saúde, após um agendamento feito às presas, supostamente para serem recebidos pelo próprio Governador Pimentel, além de não terem sido recebidos, pelo chefe do Executivo e sim por assessores de 2º e 2º escalões, ficaram sabendo mais tarde, após uma reunião que aconteceu no Hospital São João de Deus, que o Delegado do CRM, Jorge Abdala Tarabal, que textualmente disse: “Parece que houve um boato aí de que a UPA seria fechada. Não é isso, a intenção não é essa. O CRM participou no dia 18 de uma reunião, com o Ministério Público da Saúde, onde foi debatida a questão da UPA e nesta reunião eu fiz uma proposta para a gente fazer um indicativo de interdição ética da UPA, e todos os presentes concordaram. Eu entreguei esse oficio nas mãos do Presidente do CRM-MG, e ele mandou um médico fiscal em Divinópolis, na semana passada, e o relatório que está sendo gerado vai ser submetido ao plenário do CRM na próxima reunião, que será no dia 19. A ideia é fazer um indicativo de interdição ética”.

Tarabal explica que, a interdição ética, não é fechar a UPA, e sim comunicar a gestão municipal,  a situação em que se encontra a UPA no momento, e dará um prazo para corrigir as irregularidades que estão acontecendo na UPA, neste momento. “Em desfavor aos médicos a população e que a situação seja regularizada, vai ser dada um tempo. Se isso não for regularizado, aí sim os médicos que trabalham lá, serão eticamente interditados. Somente os médicos, os demais funcionários, não”.

O Delegado se dirigindo diretamente ao vice-prefeito Rinaldo Valério, afirmou que a UPA nunca funcionou bem, por que extrapolou totalmente o seu objetivo que é ter paciente no máximo por 24 horas. “Isto é lei, manter o paciente por 24 horas, e a lei está sendo descumprida, os pacientes ficam lá por 20 dias, deitado nos corredores, sentados em cadeiras, deitados em colchões no chão. Na UPA não pode ficar paciente na sala vermelha entubada no respirador isso é lei. Eu já vi atendimentos a pacientes sendo feitos no chão, por que não tinha lugar para coloca-los.

“A UPA Padre Roberto tem apenas 10 leitos, contra 40 que existiam para adultos e mais 20 para a pediatria, na época do Pronto Socorro no Centro. O atendimento na UPA é um caos, uma calamidade, sem respeito para o ser humano – O indicativo de interdição médica vai ser votado no dia 19 de outubro. O CRM vai dar um tempo aos entes municipais e do Estado, se esse tempo não for suficiente, os gestores podem pedir um adiamento, mas vão ter que dar uma solução. Do jeito que está não pode continuar, é desumano – Não é fechar a UPA sexta-feira, não. Dia 19 vai ser votado o indicativo de interdição ética”, lamentou e explicou o delegado do CRM, Jorge Tarabal.

O açodamento, foi o secretário de saúde, Rogério Barbiere convocar uma reunião de emergência e falar do possível fechamento da UPA. E pior, aquiescer que o vereador Renato Ferreira, fizesse a leitura da ata no plenário da Câmara, criando um clima de comoção, e todos já dando como cem por cento certo que a UPA seria fechada na próxima sexta-feira. Criando até pânico nos vereadores que também açodadamente, “agendaram” rapidamente uma reunião na sede do Governo do Estado, na expectativa de que eles seriam recebidos pelo próprio Governador, que em um passe de mágica, daria uma canetada em um cheque, e pronto. Na próxima sexta-feira, ou seja, amanhã (6/10), R$ 10 milhões de reais,  já estariam aportados no cofre do município.

A entrevista coletiva, marcada para essa quinta-feira (05), provavelmente deverá ser para o secretário de Saúde, Rogério Barbieri, desdizer o que foi dito e publicizado através da Ata, de que a UPA Padre Roberto não será fechada nesta próxima sexta-feira (06).

“O Secretário Municipal de Saúde, Rogério Barbieri, concede entrevista coletiva, nesta quinta-feira (04/10), às 10 horas, no Centro Administrativo da Prefeitura de Divinópolis. O secretário explicará a atual situação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto”, este foi o texto enviado de convite para a entrevista coletiva.

O fato é que, o problema do fechamento da UPA, é muito complexo e que envolve a interlocução do chefe do Executivo Municipal com o Chefe do Executivo do Estado. E/ou a intermediação de parlamentares federais ou do Estado. Em que pese a boa vontade dos vereadores, dificilmente um Governador discutiria qualquer repasse, principalmente quando esse valor é de R$ 10 milhões de reais com membros do legislativo municipal. Se assim o fizesse estaria desprestigiando o mandato do prefeito. Estaria passando por cima do chefe maior do município.

 

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.