Posição de Adair Otaviano contra Copasa é histórica; desde Demétrius, passando por Vladimir e chegando em Galileu


O presidente da Câmara dos Vereadores de Divinópolis, vereador Adair Otaviano, juntamente com os outros edis, vem manifestando sua indignação com a Copasa e com o desserviço prestado pela empresa ao município. E na reunião ordinária dos vereadores no último dia 12, Adair afirmou que sempre votou contra a empresa, “Todos os projetos que vieram nessa Casa, principalmente relacionados à Copasa, eu votei contra, porque eu sei que é uma empresa irresponsável e que não cumpre com seus compromissos”, declarou o vereador.

As críticas contra a empresa continuaram: “Alguns dias atrás nós estávamos vendo a cidade reclamar de uma água barrenta e fedorenta que foi entregue ao cidadão e até hoje não esclareceram para a população se esta água tinha boa qualidade de consumo. A Copasa não se explicou sobre esta situação, saiu de fininho e se esquivou, mas não justificou o que aconteceu. Isto foi entre os dias 23 e 27 de agosto. Poucos dias depois nos deparamos com a falta de água na cidade, tendo como justificativa que estavam fazendo correção em uma das bombas de captação do rio Itapecerica. Este é o trabalho da Copasa, ela tinha que fazer todos os reparos e serviços sem prejudicar nenhum cidadão que paga suas contas em dia. Inclusive eu ouvi casos de que a empresa está cobrando contas que já foram pagas!” O presidente da Casa ainda citou nomes de vários bairros da cidade que sofrem com a falta de água, como Jardinópolis, Jardim das Acácias, Floresta, Quintino, São Roque, Nossa Senhora das Graças, Antônio Fonseca, Padre Eustáquio, Nova Fortaleza II, Dona Rosa, Vale do Sol, Santa Rosa, Belvedere II, Realengo, Bom Pastor, Santa Lúcia, Dona Quita, dentre outros. Ele também expôs quebras no contrato de concessão da Copasa com o município.

Na reunião em que foi exposto o pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra a Copasa no dia 14 deste mês, Adair, que também sofre com a falta de água em seu bairro, se manifestou, afirmando parecer que a companhia é muito azarenta. “Eu penso que é muito azar da empresa Copasa, porque frequentemente nós temos falta de água em nossa cidade. Nos bairros mais altos falta água quase diretamente. No entanto, meu bairro, o Nossa Senhora das Graças, ainda está sem água, ele é considerado um dos bairros mais altos? Em alguns lugares tem, mas na minha casa não tem uma gota de água”. O edil aponta que a Copasa, sendo uma grande empresa no tratamento de água e esgoto, deveria possuir equipamentos de primeiro mundo reservados, para o caso de uma situação como a manutenção das bombas que ocasionaram a falta de água na cidade, da mesma forma que a Cemig faz.

Em entrevista ao Divinews, Adair disse que com o protocolamento da CPI contra a empresa, será possível apurar todas as deficiências da Copasa e todos os descumprimentos de prazo, tanto no serviço de tratamento da água quanto no tratamento de esgotamento sanitário. “Se a comissão ver que a empresa quebrou muito dos artigos do contrato de concessão, tomara que ela oriente o prefeito dê o pé no traseiro desta empresa.” O vereador atentou para o fato da Copasa não cumprir com suas obrigações, como na disponibilização de caminhões pipa para encher a casa de cada morador de um bairro em caso de falta d’água, e que se estes problemas afetassem os ricos, talvez eles já teriam sido resolvidos: “talvez se essa água estivesse faltando na região central, onde mexe com os ricos e poderosos, talvez o problema já teria sido sanado. Mas estão mexendo com o povão, estão mexendo com os bairros periféricos da cidade, por isto que a Copasa não tem o respeito devido com esses moradores. Essa empresa não tem respeito com nossa cidade, e nós não podemos ter respeito com ela também.”

Se há um vereador, que tem a prerrogativa e autoridade em ser veemente contra a Copasa, esse parlamentar é Adair Otaviano, que desde a administração do ex-prefeito Demetrius Arantes Pereira, foi um ferrenho opositor para que a Câmara não votasse favoravelmente a dar autonomia para o Executivo formalizar o contrato de tratamento de esgoto com a Copasa, sem que o mesmo não fosse examinado pelo Legislativo. O que acabou ocorrendo no governo de Vladimir Azevedo, quando ele assinou um contrato leonino com a empresa de saneamento de Minas Gerais, sem ter dado satisfação à Câmara.

Acrescente-se que o ex-prefeito Vladimir Azevedo, em 2011, além de ter assinado o contrato para o tratamento do esgoto até 2041, assinou junto a prorrogação do contrato de abastecimento de água por mais 10 anos, do que foi assinado anteriormente por Galileu Machado, ou seja, o abastecimento terminaria que em 2031, o término passou para 2041, também com alterações leoninas no contrato, favoráveis à COPASA.

 

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.