PSDB FRITA DEPUTADOS: partido não decide sobre permanência no Governo Temer; Protestos em frente prédio de Domingos Sávio


Segundo a Folha, após quatro horas de reunião nesta última segunda (10), líderes do PSDB mais uma vez adiaram a decisão sobre o desembarque do governo de Michel Temer e deixaram para a bancada da Câmara sobre o posicionamento diante da denúncia contra o presidente – Enquanto isso, em todo país os deputados são alvos de escrachos, e manifestações em suas residências. Em Divinópolis, um grupo de pessoas ligadas ao Sindicato dos Metalúrgicos foi para a frente do prédio do Deputado Federal Domingos Sávio para se manifestar contra a posição do parlamentar de votar favoravelmente a Reforma Trabalhista e seu apoio ao Presidente Michel Temer – Ainda conforme a Folha, o líder da bancada do partido, Ricardo Tripoli, disse que a questão será discutida entre deputados tucanos nesta terça ou quarta-feira – O PSDB teima em deixar para a última hora, se segue ou não com Temer. “Essa decisão [de deixar cargos no governo] vai ser discutida após termos uma definição pelo líder Tripoli da posição da bancada em relação à votação que vai ter na quinta-feira [na Comissão de Constituição e Justiça]”, disse o presidente do partido, Tasso Jereissati para jornalista da Folha – Ele (Tasso) disse que não há uma tendência clara na bancada, mas Tripoli vê uma maioria se formando pela aceitação da denúncia contra Temer – TROCA DE COMANDO NO NINHO: O presidente em exercício dos tucanos, o senador Tasso, afirmou que o partido concordou em eleger uma nova direção em agosto – Participam do encontro 16 lideranças do partido, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o prefeito João Doria, os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) e cinco governadores do partido – PIZZA: Segundo relatos, a dificuldade de Temer para se manter no cargo, ainda que nem sempre verbalizada, ficou como pano de fundo das falas de cada um. Alckmin, Serra e Aécio reconheceram a dificuldade de a reforma da Previdência avançar. FHC disse que o governo Temer errou na justificativa da medida. Em vez de dizer que a reforma seria para combater privilégios, disse que o objetivo era combater o deficit. O ex-presidente também fez um apelo contra o fogo cruzado, com um tucano rebatendo o outro. Tasso foi mais assertivo na defesa do desembarque, mas foi lembrado de que a reunião não tinha poder deliberativo. Beto Richa, governador do Paraná, destoou dos demais governadores presentes, com posição favorável à saída do PSDB do governo. O governador de Goiás Marconi Perillo falou da necessidade de uma agenda com teses corajosas, que representem mudanças radicais como por exemplo a adoção do parlamentarismo – FINALIZANDO: O cardápio do jantar foi pizza. 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.